BCE dá dinheiro à banca, compra 120 mil milhões em dívida. Bolsas caem 10%

Banco Central Europeu não anunciou mudanças nos juros após a reunião do Conselho de Governadores. A presidente Christine Lagarde vai explicar a decisão em conferência de imprensa.

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou um pacote de medidas para tentar travar o impacto do coronavírus na economia da Zona Euro. O Conselho de Governadores decidiu, esta quinta-feira, lançar estímulos como o reforço das compras de dívida, empréstimos à banca com condições mais favoráveis para estimular a circulação de liquidez e o alívio das regras de supervisão. No entanto, e ao contrário do que se esperava, não fez qualquer alteração nas taxas de juro de referência.

“Na reunião desta quinta-feira, o Conselho de Governadores decidiu um pacote de medidas de política monetária”, começa por explicar o BCE, em comunicado. O conjunto de medidas inclui uma nova ronda de empréstimos temporários Targeted Longer-Term Refinancing Operations (TLTRO), que pretende apoiar a liquidez imediata do sistema financeiro. “Apesar de o Conselho de Governadores ainda não ver sinais materiais de restrições nos mercados monetários ou escassez de liquidez do sistema bancário, estas operações irão servir como pilar em caso de necessidade”, aponta.

O TLTRO III estava em curso, mas terá condições mais favoráveis entre junho de 2020 e junho de 2021. As operações — que pretendem especialmente apoiar o financiamento de pequenas e médias empresas (PME) afetadas pelo coronavírus — terão taxas de juro 25 pontos base abaixo da média das operações de refinanciamento no Eurossistema. E para quem tiver níveis mais elevados de concessão de crédito, o juro poderá ser ainda mais baixo.

Em simultâneo, a instituição liderada por Christine Lagarde irá reforçar o programa de compra de ativos. Este está a decorrer a um ritmo de 20 mil milhões de euros por mês e irá ser reforçado com um acréscimo temporário de 120 mil milhões de euros até ao final do ano, “assegurando uma forte contribuição dos programas do setor privado”. Após o fim deste programa, que não tem horizonte temporal para acabar, irá continuar a reinvestir juros dos ativos.

“O Conselho de Governadores continua a esperar que a compra de ativos líquidos continue enquanto for necessário para reforçar o impacto acomodatício das taxas de juro e que terminem pouco antes de o BCE começar a subir as taxas de juro”, sublinha.

Foram as taxas de juro que não sofreram quaisquer alterações. O conselho do BCE manteve a taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento e as taxas de juro aplicáveis à facilidade permanente de cedência de liquidez e à facilidade permanente de depósito inalteradas em 0,00%, 0,25% e −0,50%, respetivamente. A decisão contraria o que fizeram os bancos centrais dos EUA e Reino Unido. Tanto a Reserva Federal norte-americana como o Banco de Inglaterra anunciaram cortes surpresa nos juros.

A surpresa não parece estar a agradar os investidores. As bolsas europeias, que já estavam a ser fortemente penalizadas pelo anúncio de que os EUA vão limitar as viagens entre os dois continentes, aprofundaram as quedas. Após o anúncio, o Stoxx 600 afunda 10% e os bancos ainda mais: 11,2%. Já o índice português PSI-20 acompanha as perdas, a tombar 7,79%. O euro desvaloriza 0,33%. Na dívida, a yield das obrigações de Itália — o país do euro mais afetado pelo surto — dispararam para mais de 1,5% e aprofundaram o spread face às Bunds alemãs com a mesma maturidade, que cai para -0,80%.

(Notícia atualizada às 13h20)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE dá dinheiro à banca, compra 120 mil milhões em dívida. Bolsas caem 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião