BCE testa planos de emergência e faz teletrabalho

  • Lusa
  • 7 Março 2020

Os cerca de 3.700 funcionários do BCE, sediado em Frankfurt, na Alemanha, laborarão em regime de teletrabalho para testar os planos de emergência, no caso de ser necessário o confinamento.

O Banco Central Europeu (BCE) vai funcionar em regime de teletrabalho na segunda-feira, de forma a testar os planos de emergência preparados para enfrentar o surto do novo coronavírus, foi conhecido este sábado. De acordo com os planos da instituição, confirmados pela AFP, os cerca de 3.700 funcionários do BCE, sediado em Frankfurt, na Alemanha, laborarão em regime de teletrabalho para testar os planos de emergência da instituição, no caso de ser necessário o confinamento devido à epidemia de Covid-19.

A medida, que permitirá nomeadamente colocar à prova as infraestruturas informáticas do banco central, foi decidida em nome do “princípio da precaução”, explicou uma porta-voz do BCE à agência France-Presse, confirmando informações divulgadas hoje pelo jornal alemão Börsen-Zeitung.

O acesso aos edifícios sede não será interdito, mas o BCE espera que uma grande maioria dos funcionários siga as recomendações e participe no teste, que inclui as salas de mercados e os empregados responsáveis pelos sistemas de pagamentos europeus. Assim, a sede do BCE, uma torre de vidro no leste de Frankfurt, onde trabalham cerca de três mil pessoas, e o edifício do Mecanismo Único de Supervisão, no centro da cidade, estarão largamente desertos.

Na quarta-feira, a instituição presidida por Christine Lagarde já tinha anunciado restrições às viagens não essenciais dos seus funcionários e dos membros da direção. Na próxima quinta-feira, a reunião de política monetária e a respetiva conferência de imprensa terão lugar, depois da Reserva Federal dos EUA ter baixado as taxas de juro em 0,5 pontos percentuais para combater a epidemia de Covid-19.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE testa planos de emergência e faz teletrabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião