Há dois novos casos de coronavírus. Número de infetados em Portugal sobe para 15

  • ECO
  • 7 Março 2020

A notícia é avançada pela SIC Notícias. Há 30 outras pessoas a aguardar resultados dos exames laboratoriais.

Há dois novos casos de coronavírus, segundo avança a SIC Notícias. Serão duas mulheres que foram infetadas por um doente que está internado no Hospital de São João e cujas idades não são ainda conhecidas. O número de infetados em Portugal sobe assim para 15 pessoas.

O último boletim sobre a situação epidemiológica, divulgado pela Direção-Geral da Saúde, indicava que o número total de casos suspeitos é de 181 desde o início do ano, entre os quais os 30 que se encontravam esta sexta-feira ao final do dia a aguardar resultados dos exames laboratoriais.

Os casos confirmados estão a aumentar o número de pessoas em isolamento social, para evitar os riscos de contágios. É o caso da professora na escola Roque Gameiro que acabou por ir dar aulas contaminada com mo Covid-19 depois de ter estado de férias em Milão, por recomendação da linha SNS 24. Agora estão em isolamento preventivo 150 estudantes, oito professores e quatro assistentes operacionais.

Ora, como o filho desta professora andava no colégio Grão Vasco, em Benfica, a instituição decidiu encerrar as instalações para fazer uma limpeza profunda. Já a escola José Álvaro Vidal, em Alverca, também adotou medidas de contingência depois do pai de um aluno ter sido infetado.

A escola de artes da Covilhã também está encerrada depois de um professor de música ter sido infetado. A situação deste docente também afeta o funcionamento da Escola Superior de Música do Porto que decidiu interromper as aulas.

O mesmo se passa com um empresário do norte, que esteve na feira de sapatos de Milão e, apesar de no regresso apresentar sinais da doença, foi medicado para uma gripe normal, mas perante o agravamento dos sintomas, acabou por ser enviado para um dos hospitais de referência no Porto para o tratamento da epidemia, o Hospital de São João no Porto, onde os testes acusaram positivos. Agora os 64 empregados da fábrica em Felgueiras estão em isolamento.

O surto de Covid-19, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou mais de 3.600 mortos e infetou mais de 100 mil pessoas em 92 países e territórios. O novo coronavírus surgiu pela primeira vez no final do ano passado em Wuhan, na China, e pode causar infeções respiratórias como pneumonia. A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e aumentou o risco para “muito elevado”.

(Notícia em atualização)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há dois novos casos de coronavírus. Número de infetados em Portugal sobe para 15

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião