Portugueses entre os europeus que menos vão ao site do Governo

Em 2019, foi nos países nórdicos que maior percentagem de cidadãos usaram os sites das autoridades públicas. A Dinamarca lidera, enquanto Portugal é o sétimo país com menor recurso a esta opção.

Governos de vários países europeus, incluindo Portugal, estão a apostar na digitalização e há cada vez mas quem os procure online. No ano passado, 44% dos cidadãos da União Europeia procuraram informação nos sites das autoridades públicas. O número, divulgado este sábado pelo Eurostat, representa um forte aumento face aos 33% registados em 2008. Portugal, fica abaixo da média.

e-Governo requer repensar as organizações e os processos, bem como mudar hábitos para que os serviços públicos possam ser proporcionados de forma mais eficiente aos cidadãos através do uso adequado de soluções online“, refere o relatório do gabinete de estatísticas europeu.

“Cidadãos de todas as idades usam os sites das autoridades públicas para obter informações”, aponta. Com 56%, a faixa de cidadãos que reportaram o nível mais elevado é a dos 25 aos 34 anos. A faixa dos 35 aos 44 anos seguiu, de perto, com 53%. Apesar de os cidadãos mais velhos usarem menos o computador para obter informações, quase um quarto (23%) dos cidadãos entre os 65 e os 74 anos usaram sites dos governos para o fazer.

“O desenvolvimento de e-governos e a disponibilidade de informações online aos cidadãos varia consideravelmente entre Estados-membros, tal como a percentagem de cidadãos que usam a internet em geral”, aponta o Eurostat.

Em 2019, foi nos países nórdicos que maior percentagem de cidadãos usaram os sites das autoridades públicas. A Dinamarca lidera, com 89%, seguindo-se a Finlândia (84%) e Suécia (79%). Portugal é o sétimo país com menor recurso a esta opção e fica abaixo da média europeia, com apenas 35% dos cidadãos a procurarem o site do Governo. Ainda assim, há casos com menor percentagem. A fechar a lista entram a Bulgária (20%), Itália (19%) e Roménia (9%).

Percentagem de pessoas que obtiveram informações nos sites dos Governos nos últimos 12 meses

Fonte: Eurostat

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses entre os europeus que menos vão ao site do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião