Editorial

Quando é que as marcas vão pôr o futebol em fora-de-jogo?

O futebol português precisa de uma "operação limpeza" e só as marcas que investem milhões têm a força para impor essa mudança.

Aos clubes de futebol português já não bastavam os resultados desportivos no contexto europeu, os casos de arbitragem, a violência nas bancadas, as redes de favores e interesses e um setor protegido, o ar bafiento dentro e fora dos relvados. Também foi preciso juntar-lhe (novos) indícios de crime e uma investigação que toca em clubes, presidentes, agentes, advogados e jogadores (quem é que ficou de fora?). O futebol português está mesmo em fora-de-jogo e só as marcas que investem milhões podem obrigar o futebol a uma limpeza geral.

Afinal, o que está agora em causa? Há 47 arguidos no âmbito da operação “Fora de Jogo”, que ditou buscas às SAD do Benfica, Porto e Sporting, entre outras. Entre eles estão “jogadores de futebol, agentes ou intermediários, advogados e dirigentes desportivos”, revelou o Ministério Público (MP). “Em causa estão suspeitas da prática de factos suscetíveis de integrarem crimes de fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais“, refere o comunicado.

Neste momento, são investigações, não são acusações nem condenações. Mas quem é que está disponível a pôr as mãos no fogo por uma indústria que dá de si mesmo os exemplos que esta dá? Haverá suspeitas como estas em outras indústrias, sim, mas qual é a indústria que vive um tão generalizado ambiente de suspeitas, que se acumulam e parecem não ter nunca conclusão? Qual é o setor que parece (ou é mesmo) um Estado dentro do Estado? Cumplicidades de negócios, conflitos de interesses entre acionistas e dirigentes, “family gate” entre dirigentes e agentes, e o encolher de ombros ou, pior, uma certa ignorância informada.

A cada processo judicial, há um clamor geral seguido de um pedido de reflexão por parte dos líderes desta indústria. Para proteger um setor muito importante, competitivo e que movimenta milhões, diz-se. Já não é tão competitivo como se diz, como é bom de ver, e movimenta milhões, sim, mas à margem dos circuitos, em offshores, e no limite da legalidade, ou para lá dela. E nos dias que correm, já nem se pode dizer que o futebol dentro das quatro linhas está protegido do que se passa nos bastidores.

Chegados aqui, é no mínimo ingénuo continuar a pedir aos que se movimentam nesta indústria, aos que fizeram dela o que ela é hoje, para mudarem de práticas, de princípios e de valores. Isso não vai acontecer. E o público que paga o futebol nas suas várias dimensões ainda está longe de estar preparada para pôr o futebol em quarentena, Protesta, insulta, mas continua a pagar a sua quota parte, a assistir aos jogos, a comprar os passes de acesso aos estádios, a consumir as marcas de futebol que estão associadas a este setor.

Quem é que pode, e deve, tomar ações concretas para pressionar uma mudança? As marcas que investem milhões neste setor. São elas quem tem o poder de voltar a pôr o futebol em jogo se deixarem de investir num setor que está doente. São as marcas que têm o poder de dizer “não”, que têm a obrigação de se afastar de uma indústria que tem tudo menos o que estas empresas dizem defender em todos os seus códigos e comissões de ética, nos compromissos de finanças sustentáveis, nos princípios.

As principais marcas portuguesas associam-se ao futebol porque consideram que sem esta exposição vão perder negócio, tal é a força desta indústria. Ninguém imagina a Altice a deixar de investir no futebol se a Nos não fizer o mesmo, e vice-versa. Assistiu-se, há anos, ao contrário, à destruição de valor pela concorrência irracional na compra de direitos desportivos que, simplesmente, não têm retorno possível. As duas operadoras investiram mais de 1,3 mil milhões de euros nos “três grandes” em direitos televisivos e publicidade. Ou a Superbock e a Sagres, para dar outro exemplo. Qual vai ser a marca a mostrar o primeiro cartão vermelho, sem direito, sequer, a VAR?

Em algum momento, as marcas que investem no futebol vão ter de tomar decisões, e se não o fizerem serão também apanhados por esta enxurrada. Mas não só: Se não o fizerem em tempo devido, não conseguirão sair na 25ª hora como se nunca por lá estivessem estado, cumplices deste jogo sujo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quando é que as marcas vão pôr o futebol em fora-de-jogo?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião