Editorial

Quando é que as marcas vão pôr o futebol em fora-de-jogo?

O futebol português precisa de uma "operação limpeza" e só as marcas que investem milhões têm a força para impor essa mudança.

Aos clubes de futebol português já não bastavam os resultados desportivos no contexto europeu, os casos de arbitragem, a violência nas bancadas, as redes de favores e interesses e um setor protegido, o ar bafiento dentro e fora dos relvados. Também foi preciso juntar-lhe (novos) indícios de crime e uma investigação que toca em clubes, presidentes, agentes, advogados e jogadores (quem é que ficou de fora?). O futebol português está mesmo em fora-de-jogo e só as marcas que investem milhões podem obrigar o futebol a uma limpeza geral.

Afinal, o que está agora em causa? Há 47 arguidos no âmbito da operação “Fora de Jogo”, que ditou buscas às SAD do Benfica, Porto e Sporting, entre outras. Entre eles estão “jogadores de futebol, agentes ou intermediários, advogados e dirigentes desportivos”, revelou o Ministério Público (MP). “Em causa estão suspeitas da prática de factos suscetíveis de integrarem crimes de fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais“, refere o comunicado.

Neste momento, são investigações, não são acusações nem condenações. Mas quem é que está disponível a pôr as mãos no fogo por uma indústria que dá de si mesmo os exemplos que esta dá? Haverá suspeitas como estas em outras indústrias, sim, mas qual é a indústria que vive um tão generalizado ambiente de suspeitas, que se acumulam e parecem não ter nunca conclusão? Qual é o setor que parece (ou é mesmo) um Estado dentro do Estado? Cumplicidades de negócios, conflitos de interesses entre acionistas e dirigentes, “family gate” entre dirigentes e agentes, e o encolher de ombros ou, pior, uma certa ignorância informada.

A cada processo judicial, há um clamor geral seguido de um pedido de reflexão por parte dos líderes desta indústria. Para proteger um setor muito importante, competitivo e que movimenta milhões, diz-se. Já não é tão competitivo como se diz, como é bom de ver, e movimenta milhões, sim, mas à margem dos circuitos, em offshores, e no limite da legalidade, ou para lá dela. E nos dias que correm, já nem se pode dizer que o futebol dentro das quatro linhas está protegido do que se passa nos bastidores.

Chegados aqui, é no mínimo ingénuo continuar a pedir aos que se movimentam nesta indústria, aos que fizeram dela o que ela é hoje, para mudarem de práticas, de princípios e de valores. Isso não vai acontecer. E o público que paga o futebol nas suas várias dimensões ainda está longe de estar preparada para pôr o futebol em quarentena, Protesta, insulta, mas continua a pagar a sua quota parte, a assistir aos jogos, a comprar os passes de acesso aos estádios, a consumir as marcas de futebol que estão associadas a este setor.

Quem é que pode, e deve, tomar ações concretas para pressionar uma mudança? As marcas que investem milhões neste setor. São elas quem tem o poder de voltar a pôr o futebol em jogo se deixarem de investir num setor que está doente. São as marcas que têm o poder de dizer “não”, que têm a obrigação de se afastar de uma indústria que tem tudo menos o que estas empresas dizem defender em todos os seus códigos e comissões de ética, nos compromissos de finanças sustentáveis, nos princípios.

As principais marcas portuguesas associam-se ao futebol porque consideram que sem esta exposição vão perder negócio, tal é a força desta indústria. Ninguém imagina a Altice a deixar de investir no futebol se a Nos não fizer o mesmo, e vice-versa. Assistiu-se, há anos, ao contrário, à destruição de valor pela concorrência irracional na compra de direitos desportivos que, simplesmente, não têm retorno possível. As duas operadoras investiram mais de 1,3 mil milhões de euros nos “três grandes” em direitos televisivos e publicidade. Ou a Superbock e a Sagres, para dar outro exemplo. Qual vai ser a marca a mostrar o primeiro cartão vermelho, sem direito, sequer, a VAR?

Em algum momento, as marcas que investem no futebol vão ter de tomar decisões, e se não o fizerem serão também apanhados por esta enxurrada. Mas não só: Se não o fizerem em tempo devido, não conseguirão sair na 25ª hora como se nunca por lá estivessem estado, cumplices deste jogo sujo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quando é que as marcas vão pôr o futebol em fora-de-jogo?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião