Presidente do BCE alerta para crise como a de 2008 se nada for feito contra o vírus

Europa irá "assistir a um cenário que irá fazer-nos lembrar da crise financeira de 2008" caso nada seja feito. Resposta certa à epidemia poderá tornar o impacto do vírus na economia apenas passageiro.

Christine Lagarde alerta que a Europa arrisca enfrentar um choque económico semelhante ao da crise financeira por causa do impacto do coronavírus, a menos que aja rapidamente. Diz que o Banco Central Europeu vai tomar medidas já esta semana.

A presidente da autoridade monetária da Zona Euro afirmou que sem uma ação coordenada, a Europa irá “assistir a um cenário que irá fazer-nos lembrar da crise financeira de 2008”, de acordo com fonte próxima citada pela Bloomberg (acesso condicionado). Acrescentou, contudo, que com a resposta certa à epidemia, o impacto económico do vírus poderá ser apenas temporário.

O Conselho Europeu, reunido de emergência, avançou com a proposta de criação de um novo programa de investimento avaliado em 25 mil milhões de euros, “para reforçar a capacidade de investimento em todos os Estados-membros”, revelou António Costa. Foi ainda acordada a flexibilização do Pacto de Estabilidade, utilizando essa flexibilidade para apoiar os setores mais afetados pelo vírus.

BCE pronto a reagir

Depois de a Fed ter cortado os juros, foi a vez do Banco de Inglaterra decidir fazer o mesmo, procurando dar resposta ao impacto que o vírus está a ter na economia. O BCE está preparado para dar também resposta à crise.

Lagarde diz os governadores estão a olhar para todos os instrumentos de política monetária disponíveis, prometendo uma resposta já na reunião desta quinta-feira. O objetivo será, de acordo com a presidente do BCE, o de garantir o acesso a liquidez “ultra-barata”, procurando ajudar as empresas da região.

Perante a perspetiva de novas medidas por parte do BCE — que não deverão passar pelo corte da taxa de referência que está já em 0% –, os mercados acionistas estão a valorizar, corrigindo das quedas recentes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente do BCE alerta para crise como a de 2008 se nada for feito contra o vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião