Bolsas em alta com juros do BoE. Lisboa ganha quase 2%

Depois da Fed, o Banco de Inglaterra decidiu cortar também a taxa de juro. Os mercados reagem em alta.

As bolsas europeias estão em alta. Seguem com ganhos em torno de 1%, com Lisboa a acompanhar o sentimento positivo ao somar quase 2%, animada pela Galp Energia. A puxar pelos mercados está a decisão do Banco de Inglaterra (BoE) de cortar a taxa de juro perante os impactos na economia da epidemia do coronavírus.

O Banco de Inglaterra cortou a taxa de juro diretora de 0,75% para 0,25%, uma decisão inesperada que visa apoiar a economia britânica em plena epidemia do coronavírus. A decisão, tomada numa reunião especial do comité de política monetária, vem no seguimento de uma movimentação idêntica feita pela Fed, dos EUA, aumentando a expectativa dos investidores sobre o que fará o Banco Central Europeu (BCE).

A perspetiva de uma resposta “musculada” por parte de Christine Lagarde está a animar os investidores, levando os principais índices europeus a regressarem aos ganhos após as fortes quedas recentes. O Stoxx 600 está a ganhar 1,3%, sendo que a maioria das praças apresenta subidas de mais de 1%.

Lisboa não é exceção neste movimento de recuperação, com o PSI-20 a somar 2,12% para os 4.325 pontos. 15 das 18 cotadas estão em alta, sendo que a Sonae Capital está inalterada e a Corticeira Amorim, assim como a Ramada, estão a perder valor.

A puxar pela bolsa nacional está a Galp Energia, que continua a recuperar do trambolhão no arranque da semana. As ações da petrolífera portuguesa somam 3,32% para 9,826 euros, enquanto a EDP e a EDP Renováveis ganham 2,57% e 1,57%, respetivamente.

Nota positiva também para o BCP, que ganha 2,16% para 12,77 cêntimos, corrigindo das quedas recentes. CTT e Nos também dão o seu contributo para a recuperação do índice principal, enquanto no índice global as atenções estão viradas para a Cofina depois do fracasso no aumento de capital que levou a empresa a desistir de comprar a TVI. A CMVM suspendeu a negociação dos títulos.

(Notícia atualizada às 8h10 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas em alta com juros do BoE. Lisboa ganha quase 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião