Francisco Sottomayor sai da CGD para ser CEO da Norfin

20 anos depois de ser criada, a Norfin vai conhecer um segundo líder. Francisco Sottomayor vai sentar-se na cadeira de CEO, acumulando funções de responsável pela área de imobiliário do Grupo Arrow.

Ao fim de mais de duas décadas de existência, a gestora imobiliária Norfin vai conhecer um novo líder. João Brion Sanches vai deixar a cadeira de CEO da empresa a 1 de maio, dia em que Francisco Sottomayor vai ocupar essa posição, abandonando a Caixa Geral de Depósitos (CGD), onde desempenha atualmente funções de responsável pela área de negócio imobiliário.

Francisco Sottomayor, para além de CEO, acumulará também a função de responsável pela área de negócio imobiliário do Grupo Arrow Global em Portugal, refere a Norfin, em comunicado. Antes de integrar a CGD como responsável de negócio imobiliário, em janeiro do ano passado, Francisco Sottomayor foi responsável pela área de desenvolvimento na CBRE, durante 11 anos, e diretor de gestão de ativos da Parque Expo.

“A entrada do Francisco na Norfin vem dar continuidade a mais de 20 anos de sucesso numa empresa única em Portugal, com uma equipa de profissionais com um enorme know-how sobre Imobiliário”, diz João Bugalho, managing director da Arrow Global e CEO da Whitestar. “É alguém que conhece muito bem o mercado imobiliário português, o que o torna um ativo muito importante para dar continuidade aos sucessos da Norfin”.

João Brion Sanches, com cerca de 65 anos, é sócio-fundador da Norfin e, após deixar o cargo de CEO, vai manter-se na empresa como presidente do conselho de administração até ao final do ano, refere a gestora imobiliária, em comunicado. Esta sucessão de acontecimentos já estava prevista aquando da aquisição da Norfin, pelo Grupo Arrow Global, em dezembro de 2018.

“O João Brion Sanches tem um conhecimento profundo do negócio, é um empreendedor e foi graças a ele que a empresa se tornou a referência que é hoje em Portugal”, acrescenta João Bugalho.

A Norfin foi fundada em 1999 e, em 2018, foi adquirida pelo Grupo Arrow Global, num negócio avaliado em 17 milhões de euros. Especialista na gestão de investimentos imobiliários, tem atualmente sob gestão mais de 1,4 mil milhões de euros de ativos. Recentemente, em parceria com o fundo norte-americano King Street, tal como o ECO noticiou, anunciou um investimento de 200 milhões de euros na criação do Metropolis, um projeto que vai nascer nos terrenos do antigo estádio do Sporting.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Francisco Sottomayor sai da CGD para ser CEO da Norfin

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião