Costa anuncia quatro “medidas muito fortes” tomadas pelo Conselho Europeu para combater o coronavírus

O Conselho Europeu reuniu esta terça-feira e desse encontro saíram quatro "medidas muito fortes" a tomar para conter o surto de coronavírus, anunciou António Costa.

Os membros do Conselho Europeu reuniram-se esta terça-feira, por videochamada, e nesse encontro ficou decidido um conjunto de quatro “medidas muito fortes” a adotar para conter o surto de coronavírus, anunciou António Costa. Será criado um novo programa Juncker, serão adotados mais apoios para as Pequenas e Médias Empresas (PME) e será dada mais flexibilidade no PEC e na política de concorrência.

Após este encontro, o primeiro-ministro começou por dizer que é fundamental continuar a haver a atualização e divulgação de números e informações para combater este surto do novo coronavírus. Mas, acima de tudo, é fundamental que a Comissão Europeia adote medidas, começando por apoiar as investigações na procura por uma vacina. O objetivo, disse, é evitar que o surto “afete a economia, o emprego e as empresas”.

António Costa adiantou que vão ser propostas “medidas muito fortes” para financiar as PME e, para isso, será criado um novo programa de investimento avaliado em 25 mil milhões de euros, “para reforçar a capacidade de investimento em todos os Estados-membros”.

“Foi ainda reunido total consenso para utilizar toda a flexibilidade prevista no Pacto de Estabilidade”, mas também para “utilizar toda a flexibilidade na Política de Concorrência, para aumentar as regras em que é possível aumentar o apoio dado às PME, aumentando o limite atual de 300.000 euros para 500.000 euros, em que o Estado pode apoiar o mecanismo de garantia“, continuou o primeiro-ministro.

Além disso, todos os apoios dados aos “setores críticos”, como o turismo e a aviação, não serão considerados ajudas de Estado. Estas medidas, disse António Costa, serão propostas pela Comissão Europeia na sexta-feira e, na segunda-feira, deverão ser aprovadas pelo Eurogrupo.

(Notícia atualizada às 19h52 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa anuncia quatro “medidas muito fortes” tomadas pelo Conselho Europeu para combater o coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião