Lojas do Cidadão vão ter avisos sonoros por causa do coronavírus

As Lojas do Cidadão vão emitir regularmente avisos sonoros a informar os utentes sobre os comportamentos a adotar para evitar a propagação do novo coronavírus.

Se visitar as Lojas de Cidadão nos próximos tempos, não estranhe se ouvir um aviso sonoro a informar os utentes sobre os comportamentos adequados para evitar a propagação do novo coronavírus em Portugal. Esta é uma das medidas incluídas no plano de contingência preparado pela Agência para a Modernização Administrativa (AMA) para estes espaços.

O aviso, que será emitido com regularidade, deverá conter a seguinte mensagem: “Considerando a atual situação de risco de propagação do coronavírus em locais de grande concentração de pessoas, a unidade de gestão informa os senhores utentes da necessidade de alterar alguns comportamentos. Aconselha-se que nos atendimentos se evite, o mais possível, contactos físicos, designadamente apertos de mãos ou outros cumprimentos que impliquem este tipo de contacto. Aconselha-se ainda aos trabalhadores e utentes que guardem uma distância mínima de segurança, utilizem lenços de papel em caso de espirro ou acesso de tosse e os despejem nos caixotes assinalados para o efeito”.

No plano de contingência, a AMA assegura ainda que será distribuída “solução antissética de base alcoólica, em locais específicos, destinada à desinfeção das mãos” e deverão ser definidas, em cada loja, áreas de isolamento para as quais redirecionar os casos suspeitos. “Este espaço destinar-se-á a evitar ou restringir o contacto direto de pessoas com sintomas quando tal seja detetado”, é explicado.

A área de isolamento deve ter, de resto, ventilação natural (ou ventilação mecânica), revestimentos lisos e laváveis, um telefone, uma cadeira ou marquesa, um contentor de resíduos, um kit com água e bolachas, solução antisséptica de base alcoólica, toalhetes de papel, termómetro, luvas descartáveis e máscaras cirúrgicas.

A AMA avisa, além disso, que é importante articular com as entidades que têm presença nas Lojas do Cidadão sobre que procedimentos deverão ser adotados para a recolha de dados biométricos.

No plano de contingência, a AMA admite ainda que, consoante a evolução do surto em causa, poderão ser suspensas temporariamente atividades e deslocações que não sejam absolutamente necessárias para a prossecução do interesse público.

Esta terça-feira, o Sindicatos dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado (STRN) pediu à ministra da Justiça que as Lojas do Cidadão encerrem como forma de prevenção. “Sabendo, que estando encerrados os serviços em Felgueiras e Lousada, não tem o Governo, nas pessoas da ministra da Saúde e da ministra da Justiça, o discernimento necessário para concluir de que as pessoas de Felgueiras e Lousada com necessidades em efetuar os mais diversos pedidos de natureza administrativa vão, imediatamente, circular para a periferia, concretamente para Penafiel, Paços de Ferreira; Guimarães; Paredes, Valongo, Ermesinde, Maia; Porto, Vila Real, pelo que estas Conservatórias, Lojas do Cidadão e Nascer Cidadão deverão ser encerradas”, defende o STRN em comunicado.

Até ao momento, o novo coronavírus já fez mais de quatro mil vítimas mortais e infetou mais de 115 mil pessoas. Em Portugal, há atualmente 41 casos confirmados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lojas do Cidadão vão ter avisos sonoros por causa do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião