Banca europeia arrisca quebra de 30 mil milhões nos lucros devido ao coronavírus, diz Goldman Sachs

  • ECO
  • 10 Março 2020

A Goldman Sachs estima que, nos próximos três anos, os bancos possam ver "apagados" 30 mil milhões de euros dos seus lucros em consequência dos efeitos do coronavírus.

30 mil milhões de euros. É quanto os analistas da Goldman Sachs preveem que a banca europeia possa ver “apagados” dos seus lucros ao longo dos próximos três anos em resultado das consequências do coronavírus.

Segundo uma análise do banco de investimento de segunda-feira, citada pela Bloomberg, a quebra estimada corresponde a 7% dos lucros totais, e deverá resultar do aumento do risco do crédito, da quebra das receitas e da incapacidade de reduzir custos.

O mesmo estudo antecipa que as instituições financeiras menos rentáveis na Alemanha, Itália e Grécia serão afetadas de forma desproporcional pelos efeitos negativos resultantes do coronavírus. Já os bancos franceses, dos países do Benelux — Bélgica, Holanda e Luxemburgo — bem como os de maior dimensão global deverão sentir os menores impactos, acreditam os analistas do Goldman Sachs. Neste grupo, o banco de investimento inclui o BNP Paribas, Grupo ING, Banco Santander e HSBC, bem como bancos da Europa central e de Leste como o Erste Bank e o Bank Pekao.

Ainda assim, os analistas do Goldman Sachs defendem que “no geral, os bancos europeus estão hoje numa posição mais forte do que em qualquer momento da década passada”, em termos de capacidade financeira. Ou seja, melhor preparados para enfrentar a crise do coronavírus.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca europeia arrisca quebra de 30 mil milhões nos lucros devido ao coronavírus, diz Goldman Sachs

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião