Governo pede suspensão de eventos em espaços abertos com mais de 5.000 pessoas para travar coronavírus

  • Lusa
  • 9 Março 2020

O Governo decidiu suspender os voos de/para as zonas mais afetadas pelo coronavírus em Itália e pediu ainda a suspensão de eventos em espaços abertos com mais de 5.000 pessoas.

Os voos com destino ou origem nas zonas mais afetadas pela epidemia do novo coronavírus em Itália estão suspensos, decidiu esta segunda-feira o Governo português, que recomenda também a suspensão de eventos em espaços abertos com mais de 5.000 pessoas.

A suspensão de todos os voos com destino ou origem nos aeroportos italianos de Milão-Malpensa, Internacional II Caravaggio (Bérgamo) e Internacional Marco Polo, que serve a cidade de Veneza, aplica-se para os aeroportos de Francisco Sá Carneiro, no Porto, Humberto Delgado, em Lisboa, e Internacional de Faro.

O anúncio foi feito depois de uma reunião da Comissão Nacional de Proteção Civil na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, em Carnaxide, distrito de Lisboa, na qual participaram os ministros da Administração Interna e da Saúde, Eduardo Cabrita e Marta Temido, respetivamente. A nível nacional, o executivo recomendou a suspensão de eventos em espaços abertos com mais de 5.000 pessoas, e de eventos à porta fechada com mais de 1.000 participantes.

O Governo sugeriu aos médicos que não participem em congresso ou conferências. O Governo também recomendou a suspensão de quaisquer eventos, como casamentos e a celebração de missas, com mais de 150 pessoas nos municípios de Felgueiras e Lousada, no distrito do Porto — as duas zonas mais afetadas pelo surto do novo coronavírus em Portugal.

António Costa reúne-se com sete ministros na terça-feira

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se esta terça-feira de manhã, em Lisboa, com os ministros das Finanças, da Economia, Administração Interna, Saúde, Infraestruturas e Planeamento sobre a resposta ao surto do Covid-19. O ministro dos Negócios Estrangeiros e a secretária de Estado dos Assuntos Europeus participam na reunião através de videochamada, disse à Lusa fonte oficial do gabinete de António Costa.

A reunião, para fazer um ponto de situação da resposta de Portugal ao surto do novo coronavírus, que já infetou 39 pessoas em território nacional, começa às 09h00 na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, em Lisboa.

Para as 09h00 de terça-feira foram convocados para São Bento os ministros Mário Centeno (Finanças), Siza Vieira (Economia), Eduardo Cabrita (Administração Interna), Marta Temido (Saúde), Pedro Nuno Santos (Infraestruturas e Habitação) e Nelson de Souza (Planeamento), enquanto Augusto Santos Silva (Negócios Estrangeiros) participa por telefone.

Com os líderes europeus, António Costa fará, à distância, através de videoconferência, um ponto de situação sobre o que está a passar-se ao nível europeu, acrescentou a mesma fonte. Nas últimas declarações públicas que fez sobre o assunto, no sábado, o chefe do Governo garantiu que Portugal está preparado para dar resposta ao surto e reiterou a confiança no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e nos seus profissionais.

“Temos condições para tratar deste surto e vamos continuar a responder, e acho que temos todas a razões para ter confiança no nosso Serviço Nacional de Saúde e, sobretudo, nos nossos profissionais de saúde”, afirmou, no Porto, no dia em que o executivo anunciou o encerramento de algumas escolas e instituições, tendo suspendido visitas a hospitais, lares e estabelecimentos prisionais no Norte do país.

(Notícia atualizada às 21h52 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo pede suspensão de eventos em espaços abertos com mais de 5.000 pessoas para travar coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião