Número de infetados com coronavírus sobe para 39. Há 339 suspeitos

  • ECO
  • 9 Março 2020

Aumentou para 39 o número de casos confirmados de coronavírus em território nacional, anunciou o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda. Os suspeitos também subiram, são agora 339.

Aumentou para 39 o número de casos confirmados de coronavírus em território nacional, anunciou ao final da tarde o secretário de Estado da Saúde, acrescentando que o número de casos suspeitos também subiu para 339. Esta segunda-feira, a Direção-Geral de Saúde (DGS) aprovou o novo plano nacional de contingência para preparar a resposta para as várias fases e níveis de epidemia do Covid-19.

Em apenas um dia, foram confirmados nove novos casos de coronavírus face aos 30 que se contabilizavam este domingo. Há ainda 339 casos suspeitos, que “aguardam resultados laboratoriais”, estando a maioria destas pessoas “clinicamente estável”, e regista-se ainda uma doente que “inspira alguns cuidados e uma vigilância clínica mais apertada”, detalhou António Lacerda, no briefing transmitido pelas televisões

Os primeiros casos de coronavírus “foram importados de Itália e Espanha”, sendo que o norte do país é a “região mais afetada” de momento, continuou o secretário de Estado da Saúde.

Em Lousada e Felgueiras todas as escolas estão encerradas, assim como duas escolas na Amadora — Roque Gameiro e Secundária da Amadora — e duas no Algarve — EB 2,3 Professor José Buísel e Secundária Manuel Teixeira Gomes. Em alguns casos há encerramento de algumas turmas, noutros há o encerramento completo de escolas, medidas que “não são arbitrárias” e que “seguem determinadas orientações”.

Até ao momento foram ativados dois hospitais de segunda linha, como é o caso do Hospital de Faro, adiantou o secretário de Estado da Saúde, estando atualmente dez a receber doentes — Hospital de São João, Hospital de Santo António, Hospital de Braga, Hospital Pedro Hispano, Hospital da Guarda, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Hospital Curry Cabral, Hospital Dona Estefânia e Hospital de Santa Maria. “À medida que a situação vai evoluindo, serão ativadas mais unidades e todos os hospitais poderão estar aptos a receber doentes”, disse António Lacerda.

O responsável explicou que têm acontecido reuniões diárias no Ministério da Saúde e que haverá duas atualizações diárias do número de casos suspeitos e confirmados — uma conferência de imprensa de manhã e outra às 18h30. “É importante que Portugal continue a confiar e a seguir as recomendações da Autoridade Nacional de Saúde”, disse.

Num momento em que a Organização Mundial de Saúde admite que a ameaça de uma pandemia “voltou a ser muito real”, depois de o número de casos ter superado os 111 contágios em mais de 100 países, a diretora geral da Saúde, Graça Freitas, garante que “Portugal está alinhado com a União Europeia relativamente ao fecho de fronteiras” e que vai “esperar” pela posição da União Europeia nesta matéria. A questão foi colocada depois de a secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, ter admitido que não está descartada a hipótese de Portugal encerrar as fronteiras. “Neste momento, o fecho de fronteiras ainda não foi identificado como absolutamente essencial. Se o for, é praticamente garantido que as autoridades o avaliarão e poderá ser essa uma das opções tomadas”, disse aos microfones da TSF.

Graça Freitas garante ainda que “a situação está controlada”, sem se verificar um crescimento desproporcional da doença, “mas o comportamento do vírus pode modificar-se”, admitiu a diretora geral da Saúde, que também é médica.

Mas, a doença respiratória grave, como pneumonia, passou a ser considerada como um dos critérios para despistar a infeção pelo novo coronavírus. a par da existência de sintomas como febre, por exemplo, contactos com doentes e área geográfica com contágio ativo.

No que se refere à escassez de material de proteção, ambos os responsáveis garantem que estão no terreno os procedimentos concursais para a compra de equipamentos — foram lançados a 5 de março –, mas ainda não foi possível comprar todo o material a que Portugal se propunha, já que há escassez entre os fornecedores. “Adquiriremos à medida que o mercado for tendo”, disse Graça Freitas, lembrando que “as compras são um processo dinâmico”.

De qualquer forma, está em curso uma “partilha de recursos entre as várias instituições” e “se for necessário haverá recurso à reserva estratégica”, explicaram os responsáveis, avançando ainda que os serviços receberam instruções para, de forma descentralizada, fazerem as suas próprias reservas.

(Notícia atualizada)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Número de infetados com coronavírus sobe para 39. Há 339 suspeitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião