Maioria dos portugueses admite mudar hábitos devido ao coronavírus

Os portugueses ainda não mudaram a sua rotina devido ao coronavírus, mas em caso de epidemia a grande maioria admite cancelar eventos, adotar o teletrabalho e até fazer mais compras do que o habitual.

Estão a aumentar os casos de coronavírus em Portugal. Se continuarem a avolumar-se, a maioria dos portugueses admite começar a alterar os seus hábitos. É a conclusão de um inquérito da agência multidados.com, realizado nos primeiros dias de março que revela que os portugueses dizem estar bem informados sobre a doença, mas também pouco alarmados.

A maioria dos portugueses, 82,9%, já se informou sobre a doença Covid-19, causada pelo novo coronavírus, e fá-lo através das notícias na televisão, da página oficinal do SNS e das redes sociais. Apesar do volume de notícias sobre o tema, 52,6% dos inquiridos garante não estar alarmado.

87,5% dos portugueses considera-se esclarecido sobre o tema do coronavírus e mais de 92% garante conhecer bem os sintomas. A maioria, 70,4%, está confiante nas informações prestadas pelas autoridades de saúde, mas 74,3% não acredita que o SNS esteja preparado para um amento exponencial de casos de coronavírus.

Segundo o inquérito, 85,5% dos portugueses ainda não adquiriu quaisquer equipamentos de prevenção para o Covid-19. Mas a preocupação de alguns, e o facto de estarem inseridos em grupos de risco, tem feito esgotar as máscaras e o gel desinfetante nas farmácias portuguesas, levando à rutura de stock e ao aumento abrupto de preço destes produtos.

Não adquiriram máscaras, nem mudaram hábitos. Mas para a maioria dos portugueses tudo isso pode mudar caso a epidemia ganhe outras proporções. Muitos assumem que podem correr para o supermercado e outros estão dispostos a cancelar eventos. A grande maioria pondera ainda deixar de ir trabalhar para o escritório.

79,6% dos portugueses considera adotar o trabalho remoto, mais de 70% dizem estar preparados para reforçar as compras de alimentos e outros produtos e, ainda, 63,2% admite adiar a ida a eventos num futuro próximo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria dos portugueses admite mudar hábitos devido ao coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião