Setor do mobiliário admite impacto do coronavírus nas exportações

  • Lusa
  • 9 Março 2020

O setor do mobiliário fez "reajustamentos" para evitar quebras na cadeia de fornecedores, mas admite que a epidemia do coronavírus pode vir a ter impacto nas exportações para França e Itália.

A rutura dos stocks de produtos oriundos da Ásia, como ferragens, tem obrigado as empresas portuguesas de mobiliário a fazer “reajustamentos”, admitindo a associação setorial que um arrefecimento das economias francesa e italiana possa penalizar as exportações.

“Ao nível da cadeia de fornecimento existe rutura de stocks de alguns produtos oriundos do mercado asiático, como as ferragens. São, contudo, produtos suscetíveis de substituição, pelo que as empresas têm conseguido colmatar esta situação”, afirmou o diretor executivo da Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA) em declarações à agência Lusa.

Apesar de não ter “registo de qualquer unidade que tenha parado a produção” em Portugal por quebras na cadeia de fornecimento, Gualter Morgado diz estar “a acompanhar e a monitorizar situações que requerem um rápido reajustamento ao atual cenário”, na sequência da epidemia do Covid-19.

Tendo em conta o perfil exportador do cluster português de mobiliário, “com mais de 1,9 mil milhões de euros gerados em exportações em 2019”, representativos de “mais de 4% das exportações nacionais”, a APIMA admite que “o arrefecimento de economias como a francesa ou a italiana poderá levar, em última instância, à diminuição das encomendas das empresas portuguesas para estes mercados”.

“As empresas portuguesas têm conseguido adaptar-se a estes fatores externos. No entanto, e devido à forte capacidade exportadora destas, será importante perceber como as restantes economias vão reagir”, disse Gualter Morgado à Lusa.

Segundo o presidente da APIMA, “a instabilidade internacional provocada pelo coronavírus tem vindo a fazer-se sentir a diferentes níveis no setor”, relacionando-se “um dos grandes impactos com o adiamento ou cancelamento das maiores feiras internacionais”. Exemplo disso é o Salone del Mobile, em Milão — considerado o maior evento mundial do setor do mobiliário, envolvendo cerca de 200 empresas portuguesas — que foi adiado do mês de abril para junho.

Esta situação levou também ao cancelamento da edição 2020 do Portugal Home Week, apresentando pela APIMA como “o evento estrela da fileira Casa portuguesa, que gerou mais de 10 milhões de euros de atividade económica no ano passado”. Previsto para 17 a 19 de junho, na Alfândega do Porto, o certame foi cancelado devido à sobreposição com a nova data do Salone del Mobile, que foi reagendado para a semana de 16 a 21 de junho.

“Este ano as expectativas apontavam para mais de 5.000 visitantes, quintuplicando o número de 2019, tendo já o espaço expositivo das empresas nacionais (Home Show) completamente lotado”, diz a associação, que “face ao cenário atual e, de maneira a salvaguardar o interesse nacional”, optou “por concentrar os esforços no apoio às empresas e preparar, atempadamente, uma edição 2021 que reforce ainda mais a inovação, a sofisticação e a pujança da fileira Casa portuguesa”.

Questionado pela Lusa sobre a eventual necessidade futura de medidas públicas específicas de apoio ao setor, o presidente da APIMA diz que “tem vindo a monitorizar atentamente toda a situação, em estreito diálogo com o Governo e com as demais entidades competentes”, salientando que “o regime de exceção na execução dos projetos face a acontecimento anómalos já existe em Portugal”, sendo abrangidos por este regime “os cancelamentos de grandes feiras internacionais”.

“Para além disso, e tal como mencionou recentemente o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, o executivo irá reforçar, por exemplo, a Linha Capitalizar para fazer face a situações de tesouraria das empresas, caso estas necessitem”, acrescentou.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 3.800 mortos. Cerca de 110 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, e mais de 62 mil recuperaram.

Nos últimos dias, a Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China, com 366 mortos e mais de 7.300 contaminados pelo novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia. Para tentar travar a epidemia, o Governo de Roma colocou cerca de 16 milhões de pessoas em quarentena no Norte do país, afetando cidades como Milão, Veneza ou Parma.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Setor do mobiliário admite impacto do coronavírus nas exportações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião