Setor do mobiliário admite impacto do coronavírus nas exportações

  • Lusa
  • 9 Março 2020

O setor do mobiliário fez "reajustamentos" para evitar quebras na cadeia de fornecedores, mas admite que a epidemia do coronavírus pode vir a ter impacto nas exportações para França e Itália.

A rutura dos stocks de produtos oriundos da Ásia, como ferragens, tem obrigado as empresas portuguesas de mobiliário a fazer “reajustamentos”, admitindo a associação setorial que um arrefecimento das economias francesa e italiana possa penalizar as exportações.

“Ao nível da cadeia de fornecimento existe rutura de stocks de alguns produtos oriundos do mercado asiático, como as ferragens. São, contudo, produtos suscetíveis de substituição, pelo que as empresas têm conseguido colmatar esta situação”, afirmou o diretor executivo da Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA) em declarações à agência Lusa.

Apesar de não ter “registo de qualquer unidade que tenha parado a produção” em Portugal por quebras na cadeia de fornecimento, Gualter Morgado diz estar “a acompanhar e a monitorizar situações que requerem um rápido reajustamento ao atual cenário”, na sequência da epidemia do Covid-19.

Tendo em conta o perfil exportador do cluster português de mobiliário, “com mais de 1,9 mil milhões de euros gerados em exportações em 2019”, representativos de “mais de 4% das exportações nacionais”, a APIMA admite que “o arrefecimento de economias como a francesa ou a italiana poderá levar, em última instância, à diminuição das encomendas das empresas portuguesas para estes mercados”.

“As empresas portuguesas têm conseguido adaptar-se a estes fatores externos. No entanto, e devido à forte capacidade exportadora destas, será importante perceber como as restantes economias vão reagir”, disse Gualter Morgado à Lusa.

Segundo o presidente da APIMA, “a instabilidade internacional provocada pelo coronavírus tem vindo a fazer-se sentir a diferentes níveis no setor”, relacionando-se “um dos grandes impactos com o adiamento ou cancelamento das maiores feiras internacionais”. Exemplo disso é o Salone del Mobile, em Milão — considerado o maior evento mundial do setor do mobiliário, envolvendo cerca de 200 empresas portuguesas — que foi adiado do mês de abril para junho.

Esta situação levou também ao cancelamento da edição 2020 do Portugal Home Week, apresentando pela APIMA como “o evento estrela da fileira Casa portuguesa, que gerou mais de 10 milhões de euros de atividade económica no ano passado”. Previsto para 17 a 19 de junho, na Alfândega do Porto, o certame foi cancelado devido à sobreposição com a nova data do Salone del Mobile, que foi reagendado para a semana de 16 a 21 de junho.

“Este ano as expectativas apontavam para mais de 5.000 visitantes, quintuplicando o número de 2019, tendo já o espaço expositivo das empresas nacionais (Home Show) completamente lotado”, diz a associação, que “face ao cenário atual e, de maneira a salvaguardar o interesse nacional”, optou “por concentrar os esforços no apoio às empresas e preparar, atempadamente, uma edição 2021 que reforce ainda mais a inovação, a sofisticação e a pujança da fileira Casa portuguesa”.

Questionado pela Lusa sobre a eventual necessidade futura de medidas públicas específicas de apoio ao setor, o presidente da APIMA diz que “tem vindo a monitorizar atentamente toda a situação, em estreito diálogo com o Governo e com as demais entidades competentes”, salientando que “o regime de exceção na execução dos projetos face a acontecimento anómalos já existe em Portugal”, sendo abrangidos por este regime “os cancelamentos de grandes feiras internacionais”.

“Para além disso, e tal como mencionou recentemente o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, o executivo irá reforçar, por exemplo, a Linha Capitalizar para fazer face a situações de tesouraria das empresas, caso estas necessitem”, acrescentou.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 3.800 mortos. Cerca de 110 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, e mais de 62 mil recuperaram.

Nos últimos dias, a Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China, com 366 mortos e mais de 7.300 contaminados pelo novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia. Para tentar travar a epidemia, o Governo de Roma colocou cerca de 16 milhões de pessoas em quarentena no Norte do país, afetando cidades como Milão, Veneza ou Parma.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setor do mobiliário admite impacto do coronavírus nas exportações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião