Governo duplica linha de crédito, alarga prazo para empresas pagarem impostos e agiliza lay-offs por causa do vírus

O Governo duplica o valor da linha de crédito para empresas afetadas pelo vírus. Ao mesmo tempo, flexibiliza o pagamento dos impostos e agilizou o regime de lay-off.

O Executivo de António Costa esteve sentado, esta segunda-feira, à mesa com os parceiros sociais, tendo apresentado um conjunto de medidas para apoiar as empresas e os trabalhadores face à propagação do novo coronavírus em Portugal. Nesse pacote, consta a duplicação do valor da linha de crédito para 200 milhões, a simplificação do lay-off e o alargamento dos prazos de pagamento dos impostos.

Na semana passada, o primeiro-ministro anunciou no Parlamento que o Governo se estava a preparar para lançar uma linha de crédito de 100 milhões de euros para apoiar as empresas afetadas pelo surto de coronavírus, no âmbito do programa Capitalizar.

Esta segunda-feira e face ao agravamento da epidemia, o ministro da Economia adiantou que, afinal, vai dedicar 200 milhões de euros — e não 100 milhões de euros — para apoiar tesouraria das empresas. Esta linha destina-se a micro, pequenas e médias empresas que tenham registado uma quebra de, pelo menos, 20% da sua faturação em termos homólogos, explicou Pedro Siza Vieira.

O apoio em causa tem “a comissão de garantia totalmente bonificada e estará disponível a partir do próximo dia 12″, isto é, de quinta-feira.

A decisão de reforçar esta linha de crédito para apoiar a tesouraria das empresas surge numa altura em que vários setores de atividade estão a sentir os efeitos na atividade. António Saraiva, presidente da CIP, admitiu, à entrada da reunião desta segunda-feira, que alguns setores da economia — como o têxtil, o calçado, o automóvel e o turismo — já estão a ter problemas nas suas cadeias de abastecimento.

Este reforço da linha de crédito chega, além disso, acompanhado de outras medidas para as empresas: o pagamento dos incentivos previstos no Portugal 2020 será efetuado no prazo “mais curto possível, a título de adiantamento, se tal for necessário”; o reembolso das despesas suportadas com a participação em eventos internacionais que entretanto tenham sido cancelados por causa do surto de coronavírus; e uma moratória de 12 meses na amortização de subsídios reembolsáveis no quadro do QREN e do PT2020, “que se vençam até 30 de setembro”.

No documento distribuído pelos parceiros sociais, o Executivo nota também que a falha na concretização de objetivos que tinham sido “contratualizados no âmbito dos sistemas de incentivos” não será considerada incumprimento.

E a nível fiscal, está previsto o adiamento do prazo de pagamento do primeiro pagamento especial por conta de 30 de março para 30 de junho. Já o Modelo 22 do IRC passa a poder ser apresentado até 31 de julho e o primeiro pagamento por conta do IRC será adiado de 31 de julho para 31 de agosto.

“O Governo enviará reforços — e recomendará às demais entidade públicas — para serem acelerados todos os pagamentos”, assegura o Executivo, referindo que as equipas do IAPMEI, do IEFP, da Segurança Social, do Turismo de Portugal e do Ministério da Agricultura serão reforçadas.

Governo aprova lay-off simplificado

A manutenção da capacidade produtiva das empresas nacionais e dos postos de trabalho são as prioridades do Governo, neste momento, face à propagação do coronavírus em Portugal, disse o ministro da Economia, aos jornalistas.

Com esse objetivo em mente, o Executivo irá aprovar um regime especial de lay-off simplificado, por via do qual “os trabalhadores terão a garantia de retribuições ilíquidas equivalentes a dois terços do salário, até 1.905 euros, sendo 30% suportado pelo empregador e 70% pela Segurança Social até um máximo de seis meses”.

Segundo a ministra do Trabalho, para ter acesso a este regime extraordinário, a empresa terá de mostrar uma “quebra abrupta” das vendas de, pelo menos, 40% face ao período homólogo. O pedido será, depois, aprovado durante um mês, sendo renovável até ao já referido máximo de seis meses, explicou Ana Mendes Godinho.

Outra opção que será disponibilizada às empresas e aos trabalhadores é o regime de lay-off com formação. Neste caso, os trabalhadores poderão beneficiar de ações de formação com uma bolsa — suportada pelo IEFP — equivalente a 30% do Indexante dos Apoios Sociais (cerca de 131 euros) e que é repartida pelo empregador e pelo emprego.

Será ainda lançado um “plano extraordinário de formação e qualificação”, que inclui o pagamento às empresas de um apoio equivalente a 50% da remuneração do trabalhador (até 635 euros) para as empresas com atividade afetada pela epidemia.

Durante estes períodos de lay-off, as empresas vão também beneficiar da isenção do pagamento das contribuições sociais (TSU), o que se manterá também no primeiro mês de retoma da atividade. E após o termo do lay-off, o Executivo vai atribuir um “apoio extraordinário para a manutenção dos postos de trabalho”. Em causa está um apoio de 635 euros por cada trabalhador apoiado pelo IEFP.

De acordo com o ministro da Economia, estas medidas deverão ser levadas já à próxima reunião de Conselho de Ministros, de modo a que sejam colocadas em prática o mais rapidamente possível. Esta foi, de resto, uma das preocupações expressas pelos patrões, que defendem que todos os apoios deveriam entrar em vigor a muito curto prazo.

Siza Vieira sublinhou, por outro lado, que estas são as “primeiras medidas”. O ministro da Economia mostrou-se disponível para acompanhar a evolução do surto de coronavírus e ir respondendo com mais medidas, se assim for necessário, já que o país tem uma “situação financeira relativamente sólida” que o permite.

O governante frisou também que é “precoce” fazer projeções sobre o impacto deste surto na economia portuguesa, uma vez que ainda é desconhecida a duração e a intensidade desta epidemia. “A melhor receita económica é lavar as mãos com frequência e tossir para o cotovelo”, lembrou Siza Vieira, garantindo que o país tem “capacidade para absorver o impacto e responder com robustez”.

Parceiros dizem que medidas são “positivas”

“Globalmente, achamos que é positivo”. Foram estas as palavras do dirigente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) sobre o pacote de medidas apresentado, esta segunda-feira, pelo Governo. João Vieira Lopes salientou, ainda assim, que este é um “primeiro documento” que deve merecer “ajustamentos” à medida que o surto for evoluindo.

O representante do Comércio defendeu, por outro lado, que deviam ser suspensas as penhoras levadas a cabo pela Autoridade Tributária, neste período, bem como os despejos quer de empresas quer de particulares, já que podem “complicar os problemas de saúde pública”.

À saída da reunião, o dirigente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, sublinhou, no mesmo sentido, que este é um “plano aberto” que deve ser adaptado à evolução da epidemia, ideia partilhada também por António Saraiva, da Confederação Empresarial de Portugal (CIP). “São as medidas possíveis, temos de ir fatiando as soluções”, disse, referindo que o pacote apresentado é “positivo”.

Já a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) defendeu que é preciso pensar não apenas nos trabalhadores por conta de outrem, mas também nos empresários em nome individual, pedindo que sejam avaliadas medidas também nesse sentido.

Do lado dos sindicatos, a CGTP mostrou-se preocupada com os regimes especiais de lay-off, dizendo “não estar de acordo de maneira nenhuma”. Já a UGT sublinhou que as medidas em causa são importantes, mas sublinhou que, em alguns casos, a lei permite que o lay-off não implica perda de rendimentos, defendendo a aplicação desse modelo na atual situação.

Até ao momento, o coronavírus já fez mais de três mil vítimas mortais e deixou mais de 93 mil pessoas infetadas. Em Portugal, já 31 pessoas infetadas.

(Notícia atualizada às 14h15)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Governo duplica linha de crédito, alarga prazo para empresas pagarem impostos e agiliza lay-offs por causa do vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião