Coronavírus já tirou 36,7 mil milhões às maiores companhias aéreas em bolsa

Nos EUA e Europa, as quedas nas capitalizações de mercado superaram os 20% devido ao surto de Covid-10, levando investidores como Warren Buffett a aproveitar para reforçar posições.

Quarentenas, teletrabalho e cancelamentos. Têm sido acionados planos de emergência por todo o mundo para conter a disseminação do coronavírus e, nas últimas semanas, chegaram mesmo a fechar-se cidades, enquanto as maiores empresas e organizações estão a tentar impedir ajuntamentos desnecessários. Neste cenário, as viagens estão a cair a pique e, com elas, as ações das companhias aéreas em bolsa.

Várias companhias aéreas anunciaram cancelamentos de voos e congelamento de custos para fazer face ao impacto da epidemia no setor. Apesar disso, multiplicam-se os profit warnings e a Associação Internacional de Transportes Aéreas (IATA, na sigla em inglês) aponta uma perda entre 63 mil milhões e 113 mil milhões de dólares em receitas globais da indústria devido ao coronavírus. Só na Europa, a quebra estimada é de 9% ou 6,6 mil milhões de dólares.

A estimativa mais que duplica o impacto esperado há duas semanas. “Desde essa altura, o vírus alastrou a mais de 80 países e o número de reservas foi severamente afetado em rotas além da China”, explica Alexandre de Juniac, diretor-geral e CEO da IATA, em comunicado. O receio do efeito do vírus nas companhias aéreas alastrou ao sentimento dos investidores e as ações do setor já afundaram mais do que durante a crise do síndrome respiratória aguda grave (SARS). É a maior selloff desde o 11 de setembro.

"Os mercados financeiros reagiram agressivamente. Os preços das ações das companhias aéreas caiu cerca de 25% desde o início do surto, o que representa uma quebra superior em 21 pontos percentuais do que o declínio registado na altura comparável da crise da SARS em 2003.”

Alexandre de Juniac

Diretor-geral e CEO da IATA

Os mercados financeiros reagiram agressivamente. Os preços das ações das companhias aéreas caiu cerca de 25% desde o início do surto, o que representa uma quebra superior em 21 pontos percentuais do que o declínio registado na altura comparável da crise da SARS em 2003. De certa forma, esta queda nos preços está já a incorporar o choque nas receitas da indústria superior ao que esperávamos antes”, sublinha de Juniac.

As dez maiores companhias aéreas do mundo, em termos de capitalização bolsista, desvalorizaram 22% nas últimas duas semanas, equivalente a uma perda de 36,7 mil milhões de dólares. O maior tombo (de 43%) foi da norte-americana American Airlines, que perdeu mais de cinco mil milhões, enquanto a Delta Air Lines recuou 20,7% (ou 7,7 mil milhões) e a United Airlines caiu 33,2% (equivalente a 6,4 mil milhões).

Na Europa, a britânica Internacional Airlines desvalorizou mais de 30%, tendo perdido quase 4,9 mil milhões em duas semanas e a Ryanair cedeu 26% (4,3 mil milhões). Já a alemã Lufthansa — cujo negócio para entrar no capital da portuguesa TAP ficou também em modo de espera devido à crise — recuou 19,4% (ou 1,5 mil milhões). As quedas foram mais expressivas nas companhias aéreas norte-americanas e europeias pois as asiáticas têm vindo a ser penalizadas há mais tempo dado que o surto teve início na China.

Companhias da Europa e EUA já perderam entre 20% e 40% do valor

Fonte: Reuters

Apesar das desvalorizações expressivas, parte das empresas terminaram a semana em “terreno” positivo ou pelo menos a desacelerar a queda, o que poderá estar associado aos pormenores que foram sendo conhecidos dos planos de contingência. Por outro lado, essa recuperação terá ainda sido causada por correções com os investidores a aproveitarem os preços mais baixos para entrar ou reforçar no capital.

Foi essa a estratégia do guru de Wall Street, Warren Buffett, que anunciou esta semana um investimento de 45,3 milhões de dólares para comprar 976,5 mil ações da Delta Air Lines. O dono da Berkshire Hathaway — que tem como lema ser ambicioso quando os outros estão assustados — passou a deter 11,2% da companhia aérea.

A estratégia poderá não ser única. “Temos estado a reduzir risco dos nossos modelos de portefólio nos últimos dois meses, devido ao forte rally do mercado e à incerteza em torno da epidemia, mas agora vemos uma relação entre risco e retorno, nos ativos de risco, cada vez mais inclinado positivamente e estamos a usar a retração atual para voltar a aumentar a exposição cíclica”, explicaram os analistas do JP Morgan numa nota aos clientes, citada pela Bloomberg.

Já o Citigroup antecipa que “se as preocupações com o coronavírus diminuírem nas próximas semanas e os EUA conseguirem evitar uma recessão, poderá verificar-se um cenário de recuperação da procura [por viagens] no mundo excluindo a Ásia, o que poderá levar os preços das ações a estabilizarem”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Coronavírus já tirou 36,7 mil milhões às maiores companhias aéreas em bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião