Coronavírus leva Moody’s a rever em baixa crescimento das maiores economias

Agência de notação financeira está mais pessimista quanto ao impacto do surto na economia mundial.

Pela segunda vez em menos de um mês, a Moody’s reviu em baixa as estimativas de crescimento económico mundiais. O surto de coronavírus é a razão para o pessimismo da agência de notação, que vê agora maior risco de recessão.

“A disseminação global de coronavírus está a resultar num choque simultâneo na oferta e na procura. Esperamos que estes choques desacelerem materialmente a atividade económica, particularmente na primeira metade do ano”, aponta a Moody’s, numa nota divulgada esta sexta-feira.

A agência reviu em baixa a projeção para o conjunto dos países do G-20, que espera agora que cresça 2,1% em 2020 (menos 0,3 pontos percentuais que na estimativa anterior). Nos EUA, antecipa que o produto interno bruto (PIB) expanda 1,5% (menos 0,2 p.p.), na Zona Euro que cresça 0,7% (menos 0,5 p.p) e na China 4,8% (menos 0,4 p.p.). Esta é a segunda revisão em baixa das estimativas da Moody’s em menos de um mês, já que a agência já o tinha feito a 16 de fevereiro.

O risco de recessão global subiu. Quanto mais tempo o surto afetar a atividade económica, mais os choques na procura irá dominar e levar a dinâmicas de recessão“, diz a agência. “A extensão completa dos custos económicos não será clara durante algum tempo. O receio de contágio irá penalizar o consumo e a atividade empresarial”.

Também a OCDE mostrou-se mais pessimista quando ao crescimento económico global devido à epidemia. Portugal não está incluído na lista de revisões, mas o primeiro-ministro António Costa já admitiu uma potencial revisão em baixa das perspetivas de crescimento económico nacional devido ao surto, que já infetou mais de 100 mil pessoas por todo o mundo.

Na Zona Euro, outros dois países estão em risco de recessão: Itália e França. Em ambos os casos (tal como nos EUA e na China), os governos estão a implementar programas de ajuda para travar o impacto, enquanto organizações internacionais e bancos centrais anunciaram também medidas de reação, em especial o corte de juros surpresa da Reserva Federal norte-americana. E a Moody’s considera que estas ações deverão ajudar a travar o impacto.

“É provável que medidas de política orçamental e monetária ajudem a limitar os danos nas economias individuais. Os anúncios feitos por autoridades orçamentais, bancos centrais e organizações internacionais até agora sugerem que a resposta política será forte nos países mais afetados“, acrescenta o relatório.

(Notícia atualizada às 17h45)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus leva Moody’s a rever em baixa crescimento das maiores economias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião