Itália anuncia programa de 7.500 milhões. Défice agrava-se para 2,5%

  • Lusa
  • 5 Março 2020

Programa para enfrentar o vírus representa um agravamento do défice em 0,3% face ao 2,2% inicialmente previsto para este ano.

O governo italiano anunciou um programa de 7,5 mil milhões de euros para combater a epidemia de Covid-19 e o seu impacto na economia, o que representa um aumento de 0,3% no défice de 2020.

O montante vai servir em primeiro lugar para “aumentar os recursos destinados aos serviços de saúde, à proteção civil, às forças da ordem”, explicou o ministro da Economia e Finanças italiano, Roberto Gualtieri, em conferência de imprensa.

O programa também se destina a apoiar “os rendimentos da famílias e a aplicar medidas de apoio social” bem como “medidas de apoio às empresas e aos setores que sofrem o impacto das medidas de contenção da epidemia e seus efeitos diretos e indiretos”, acrescentou.

Gualtieri também anunciou “uma medida destinada a apoiar uma moratória nos créditos às empresas por parte do sistema bancário”.

“A diferença (em relação ao orçamento de 2020) será de 7,5 mil milhões de euros, em termos de saldo líquido, ou 6,35 mil milhões em termos de dívida”, precisou. Isto representa um aumento de 0,3% em relação ao défice de 2,2% inicialmente previsto para este ano.

O governo italiano já enviou uma carta à Comissão Europeia a avisar desta mudança, prometendo, no entanto, assegurar um bom desempenho das finanças públicas italianas.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, disse que há um diálogo “constante” com a Comissão Europeia, que compreende a situação que a Itália enfrenta. “Não haverá tensão com a UE”, salientou.

A epidemia do novo coronavírus, designado Covid-19, surgiu em dezembro na China, o país que regista mais casos de infeção (80.492) e mais mortes (2.984), segundo os últimos números divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Itália é o segundo país, a seguir à China, com mais casos mortais, 148, e o terceiro, depois da China e da Coreia do Sul, com mais pessoas infetadas, 3.858, de acordo com números oficiais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália anuncia programa de 7.500 milhões. Défice agrava-se para 2,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião