Covid-19 trava economia chinesa. Vendas de carros afundam 80%

  • Lusa e ECO
  • 4 Março 2020

No que toca aos serviços, o índice de gestores de compras caiu para 26,5 pontos em fevereiro, o nível mais baixo desde que há registo. Já as vendas de carros tombaram 80%.

A propagação do coronavírus já se faz sentir na economia chinesa. O setor dos serviços da segunda maior economia do mundo registou a maior contração desde que há registo em fevereiro. Ao mesmo tempo, as vendas de automóveis registaram uma quebra histórica de 80%.

No que toca aos serviços, o índice de gestores de compras (PMI) caiu para 26,5 pontos, o nível mais baixo desde que há registo. Esta é a primeira vez que desce abaixo dos 50 pontos, desde que começou a ser realizado mensalmente, em 2005. Este indicador mede a atividade da indústria manufatureira na China e é tido como um importante indicador no desenvolvimento da segunda maior economia do mundo, sendo que quando está abaixo dos 50 indica uma contração e acima aponta para uma expansão.

Este declínio deve-se às restritas medidas de prevenção do surto do Covid-19 adotadas pelas autoridades chinesas, que incluem restrições sob a movimentação de centenas de milhões de pessoas ou o encerramento forçado de estabelecimentos. Além disso, planos de viagens no país foram também cancelados por ordem do governo, levando a uma redução do consumo e serviços associados ao turismo.

Alguns economistas consideram que o setor dos serviços é particularmente vulnerável a uma redução do fluxo de caixa — o chamado cash flow –, tornando inevitável um processo de falências devido à paralisia das cidades que chinesas, que dura já há quase seis semanas.

Segundo documentos divulgados pelo Supremo Tribunal Popular, a que a Lusa teve acesso, centenas de empresas declararam falência no país, entre os dias 25 de janeiro e 21 de fevereiro. A maioria são pequenas e médias empresas dos setores retalho, manufatura e imobiliário.

Vendas de carros na China com queda recorde de 80%

A epidemia do Covid-19 paralisou a indústria chinesa, levando a uma forte quebra do setor automóvel. As vendas de carros no país asiático caíram 80% em fevereiro, a maior quebra nas vendas mensais de automóveis de sempre.

Segundo os dados preliminares da Associação de Automóveis de Passageiros da China, citados pela Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês), as vendas de automóveis caíram 80% em fevereiro, ainda assim as vendas diárias melhoraram na última semana do mês comparativamente com as primeiras três semanas.

Da Volkswagen à Tesla, a queda de vendas é generalizada, sendo que a atividade dos fabricantes também tombou em fevereiro, recuando para níveis históricos. Apesar de o Governo chinês já ter vindo referir a importância da industria automóvel para a China, ainda não foram avançadas medidas de apoio específicas para o setor.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 trava economia chinesa. Vendas de carros afundam 80%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião