Montepio sem cartões de crédito por causa do coronavírus

Os chips dos cartões de crédito vêm da China e o banco não está a conseguir substituir os cartões dos clientes que atingem o prazo de validade.

Apresentação da nova marca Montepio - 20FEV19

O Covid-19 já está a provocar estragos na economia e nem os bancos em Portugal escapam. O ECO sabe que o Banco Montepio não está a conseguir emitir novos cartões de crédito por falta de chips eletrónicos que vêm da China. A dificuldade de fornecimento está relacionada com o coronavírus.

A epidemia provocada pelo novo coronavírus, que pode causar infeções graves respiratórias como pneumonia, causou até à data mais de 3.100 mortos e infetou mais de 91.000 pessoas em cerca de 70 países e territórios, incluindo cinco em Portugal.

O surto foi detetado pela primeira vez na China em dezembro e está a provocar um autêntico terramoto na economia chinesa, com a atividade manufatureira a cair para mínimos históricos.

Muitas empresas não conseguem produzir e outras não conseguem exportar. A cidade de Wuhan, o epicentro da epidemia, alberga várias empresas que produzem semicondutores e muitas não estão a conseguir expedir as suas encomendas para os clientes fora da China.

É o caso do Banco Montepio que não está a conseguir dar novos cartões de créditos aos clientes, precisamente por falta dos chips eletrónicos.

Um cliente da instituição bancária, cujo cartão expirou em fevereiro, recebeu a seguinte mensagem no telemóvel por parte do Montepio: “Face a constrangimentos na expedição de cartões, informamos que receberá o cartão de crédito Classic na segunda semana de março. Lamentamos o incómodo causado”. O ECO apurou que os “constrangimentos na expedição de cartões” devem-se precisamente à interrupção de fornecimento de chips vindos da China. Contactada, fonte oficial do banco não respondeu até à hora de publicação desta notícia.

O ECO tentou perceber se o Montepio é o único banco afetado pela escassez dos chips. No caso do banco público, a Caixa Geral de Depósitos garantiu ao que não registou qualquer problema com a emissão de cartões, dado que tem grandes quantidades em stock. O BCP e o Novo Banco também não têm registo de problemas. O Santander não respondeu em tempo útil.

Uma fonte da banca explicou ao ECO que o maior fornecedor nacional de cartões aos bancos portugueses é a SIBS Cartões, a unidade da SIBS responsável pela produção e personalização de cartões.

Contactada, fonte oficial confirmou que, “no que diz respeito aos cartões produzidos e personalizados pela SIBS, não há qualquer atraso ou outro tipo de constrangimento motivado por problemas relacionados com a matéria-prima”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio sem cartões de crédito por causa do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião