TLTRO, juros e dívida. BCE poderá seguir Fed na reação ao coronavírus

Christine Lagarde garante que o banco central da Zona Euro está a acompanhar desenvolvimento do surto. Após a decisão surpresa da Fed, cresce a expetativa sobre o que vai fazer o BCE.

Bolsas a caírem a pico, reuniões de emergência de líderes mundiais e cortes de juros surpresa. O coronavírus criou um cenário nos mercados financeiros que traz à memória o pânico da crise financeira, com a falência do Lehman Brothers, em 2008. Banqueiros centrais e ministros das Finanças prometem estímulos monetários e orçamentais, mas o primeiro a premir o gatilho foi a Reserva Federal norte-americana (Fed), aumentando a expetativa sobre a reação do Banco Central Europeu (BCE).

“O surto de coronavírus é uma situação em rápido desenvolvimento, que cria riscos para o outlook económico e para o funcionamento dos mercados financeiros. O BCE está a monitorizar de perto os desenvolvimentos e as suas implicações para a economia, inflação de médio de longo prazo e transmissão da nossa política monetária“, diz Christine Lagarde, em comunicado.

“Estamos prontos a tomar medidas específicas e apropriadas, se necessário de forma proporcional aos riscos”, sublinhou, replicando o que vários banqueiros centrais têm dito. O discurso é unânime, mas poucos tomaram medidas: a Austrália e a Malásia cortaram taxas de juros nas habituais reuniões de política monetária em que definem a estratégia a seguir, mas foi a Fed que surpreendeu.

O banco central liderado por Jerome Powell anunciou um corte de juros surpresa devido ao surto, que já infetou 91 mil pessoas em todos os continentes e causou mais de três mil mortos. A queda foi de 50 pontos base para um intervalo entre 1% a 1,25% e Powell deixou a porta a novas descidas, se necessário. Powell garantiu ainda que os bancos centrais de todo o mundo estão em contacto constante, no mesmo dia em que o G7 se reuniu para discutir uma intervenção conjunta.

"O rápido e assertivo corte de juros da Fed apoia a nossa visão de que o BCE irá participar no exercício global coordenado de alívio. O BCE irá provavelmente cortar a taxa de depósitos em 10 pontos base e aumentar o volume de compras de obrigações mensais, temporariamente, em 20 mil milhões de euros.”

Jörg Krämer

Economista-chefe do Commerzbank

A próxima reunião do BCE está marcada para quinta-feira da próxima semana, dia 12 de março, mas — tal como aconteceu com a Fed — a instituição liderada por Christine Lagarde poderá surpreender. A diferença é que a margem de manobra do BCE é menor.

O rápido e assertivo corte de juros da Fed apoia a nossa visão de que o BCE irá participar no exercício global coordenado de alívio“, acredita Jörg Krämer, economista-chefe do Commerzbank. Numa nota de research divulgada esta terça-feira, o banco de investimento antecipa que o BCE corte a taxa de juro dos depósitos em 10 pontos base e que aumente o volume de compras líquidas em 20 mil milhões de euros.

Ambos instrumentos foram relançados em setembro do ano passado, com a taxa de juro aplicada aos depósitos a cair para os atuais -0,5% e o recomeço das aquisições de dívida, em 20 mil milhões de euros por mês. Ou seja, se a projeção do Commerzbank se concretizar, as compras poderão passar para 40 mil milhões de euros por mês e essa taxa poderá cair para a -0,6%. E o mercado parece já o estar a descontar, com a yield das Bunds a 10 anos a negociarem em -0,6%.

“No entanto, é menos claro o que é que o BCE irá fazer. No final das contas, já usou grande parte das munições e os efeitos secundários da política monetária acomodatícia estão a tornar-se incrivelmente visíveis”, aponta Krämer. Na mesma nota, cortou a projeção de crescimento para a Zona Euro para 0,5% em 2020, contra a anterior estimativa de 0,9%.

"Há muito pouco que o BCE possa fazer além de acalmar os mercados financeiros. Para ser franco, neste momento, uma vacina ajudaria muito mais do que mais um corte de juros.”

Carsten Brzeski

Economista-chefe do ING

Além destas, há ainda a opção do financiamento de longo prazo a baixos custos, as Targeted Longer-Term Refinancing Operations (TLTRO). Estes programas têm como objetivo aumentar a liquidez na banca e “obrigá-la” a repassar essa liquidez para a economia. Questionado sobre o assunto, o governador austríaco Robert Holzmann confirmou que reforçar as TLTRO está em cima da mesa. “É definitivamente uma área que será discutida na próxima reunião”, disse, citado pela Bloomberg.

Há apenas três meses como presidente do BCE, Christine Lagarde enfrenta o primeiro momento determinante e a reação poderá determinar a forma como será lembrada, ao género do “whatever it takes” dito pelo antecessor Mario Draghi durante a crise.

“O BCE está num impasse com as opções quase esgotadas”, alerta Carsten Brzeski, economista-chefe do ING. “O coronavírus e o seu impacto para a economia precisa, na nossa opinião, mais de políticas orçamentais do que monetárias. Há muito pouco que o BCE possa fazer além de acalmar os mercados financeiros. Para ser franco, neste momento, uma vacina ajudaria muito mais do que mais um corte de juros“.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

TLTRO, juros e dívida. BCE poderá seguir Fed na reação ao coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião