BCE põe taxa de depósitos em -0,5%. Avança com compra de ativos de 20 mil milhões por mês

Instituição liderada por Mario Draghi cortou a taxa de depósitos. Cai de -0,4% para -0,5%. Ao mesmo tempo, avança com um programa de compra de ativos no valor de 20 mil milhões de euros por mês.

O Banco Central Europeu (BCE) prometeu e cumpriu. Não mexeu na taxa diretora, mas para dar resposta à necessidade de ajudar a economia do euro, decidiu cortar a taxa de depósitos para um nível ainda mais negativo, passando-se a -0,4% para -0,5%, mas criando dois escalões para mitigar o impactos nos bancos. Ao mesmo tempo, avança com um programa de compra de ativos no valor de 20 mil milhões de euros por mês que arranca em novembro.

A taxa de referência continua em 0%, embora o BCE admita que irá manter-se baixa, “ou mais baixa”, até que as perspetivas para a inflação sejam suficientemente robustas. Já a taxa de depósitos, aplicada ao excesso de liquidez do sistema financeiro do euro, sofreu um corte, tal como já era antecipado pelo mercado. Já estava em -0,4%, mas agora passa para -0,5%.

O corte da taxa de depósitos vem, contudo, com uma medida adicional, procurando evitar que todos os bancos sejam castigados por este custo extra. O BCE introduziu um sistema de dois níveis que possibilita que uma parte do excesso de liquidez do setor — dinheiro que os bancos não estão a conseguir emprestar à economia — fique a salvo deste custo.

Ao mesmo tempo que revê a taxa de depósitos, anuncia também alterações aos Targeted Longer-Term Refinancing Operations (TLTRO), operações de financiamento à banca, que serão mais favoráveis, para ajudar a que o dinheiro chegue à economia real. Mas temendo que não seja suficiente ter os bancos a desempenharem esse papel de injetar liquidez na economia, o BCE vai avançar com um novo programa de compra de ativos.

O BCE vai passar a comprar 20 mil milhões de euros em ativos, no mercado, por mês, a partir de 1 de novembro. Este programa, denominado de Asset Purchase Programme (APP), diferencia-se daquele que esteve em vigor nos últimos anos, o PSPP, em que o alvo eram, nomeadamente, títulos de dívida soberana, o que permitiu uma queda acentuada no custo de financiamento dos países, no sentido de promover o investimento público para relançar a economia do euro.

Estas são todas as medidas anunciadas pelo BCE:

  • Taxa de juro de referência mantém-se em 0%. BCE afirma que irá manter-se baixa, “ou mais baixa”, até que as perspetivas para a inflação sejam suficientemente robustas;
  • Taxa de juro das facilidades de depósitos baixa em dez pontos base, para -0,5%. São criados dois patamares de juros negativos, com parte do excesso de liquidez da banca a ficar isenta deste custo;
  • TLTRO III terá condições de acesso mais baixas, permitindo que um maior número de bancos possa recorrer a este financiamento. A taxa de juro terá como referência a taxa de depósitos, sendo mais baixa para bancos que superem as metas de concessão de crédito. O prazo passa de dois para três anos;
  • Programa de compra de ativos do BCE é relançado a um ritmo mensal de 20 mil milhões de euros por mês, a partir de novembro.

(Notícia em atualização)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE põe taxa de depósitos em -0,5%. Avança com compra de ativos de 20 mil milhões por mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião