Líderes do G7 prontos a lançar estímulos orçamentais para reduzir o impacto económico do coronavírus

  • Lusa e ECO
  • 3 Março 2020

Os ministros das Finanças e os banqueiros centrais do G7 disseram que "seguem cuidadosamente a epidemia de coronavírus de 2019 e suas consequências nos mercados e condições económicas".

Os países do G7 estão prontos para “utilizar todos os instrumentos apropriados” para reduzir o impacto económico da epidemia do coronavírus e, em particular a adotar políticas “orçamentais”, foi anunciado esta terça-feira, após uma reunião na qual os líderes das maiores economias do mundo estiveram a debater medidas de resposta ao surto.

“Os ministros das Finanças do G7 estão prontos para agir, incluindo adotar medidas orçamentais se for apropriado para (…) apoiar a economia”, refere o comunicado publicado esta terça-feira na sequência de uma conferência telefónica dos ministros das Finanças e dos bancos centrais do G7. Os banqueiros centrais também prometem “continuar a cumprir os seus mandatos”, ou seja, “apoiar a estabilidade de preços e o crescimento económico, mantendo a resiliência do sistema financeiro”.

Os ministros das Finanças e os banqueiros centrais do G7 disseram que “seguem cuidadosamente a epidemia de coronavírus de 2019 (Covid-19) e suas consequências nos mercados e condições económicas”. Também referem que estão “prontos para cooperar novamente em medidas oportunas e eficazes”.

“Dadas as possíveis consequências do Covid-19 no crescimento global, reafirmamos o nosso compromisso de utilizar todas as ferramentas políticas apropriadas”, acrescentaram. Os Estados Unidos presidem este ano ao grupo dos sete países mais ricos do planeta, Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido.

A epidemia do novo coronavírus, que provoca a doença designada por Covid-19 e que teve origem na China, já infetou 90.663 em todos os continentes, das quais morreram 3.124, segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças.

Tal como os países do G7, também Mário Centeno, no seu papel de presidente do Eurogrupo, está a promover uma iniciativa semelhante. O responsável anunciou na sexta-feira que convocou uma teleconferência com os ministros das Finanças de todos os Estados-membros, esta quarta-feira, e não apenas os da área do euro, para avaliar os impactos da epidemia e concertar respostas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Líderes do G7 prontos a lançar estímulos orçamentais para reduzir o impacto económico do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião