Bancos centrais querem travar impacto do coronavírus na economia. O que podem fazer?

Promessas dos bancos centrais e das organizações internacionais levaram a uma recuperação do sentimento dos investidores, mas ainda nada aconteceu e o efeito de novas ações poderá ser limitado.

A doença causada pelo vírus covid-19 passou rapidamente das pessoas às bolsas e ameaça contagiar, a prazo, a economia global. Depois de terem começado por tentar acalmar o pânico, bancos centrais e organizações internacionais já passaram à fase em que garantem que irão agir para mitigar o efeito do surto. A expectativa gerada com as promessas dos EUA à Zona Euro levou a uma recuperação nas ações globais, mas para já só a China agiu. E os restantes poderão ter pouca margem de manobra.

O Banco Central Europeu (BCE) juntou-se esta segunda-feira às instituições que já sinalizaram que poderão agir para mitigar o potencial impacto económico do surto de coronavírus. A epidemia já infetou mais de 89.500 pessoas e matou mais de 3.000 pessoas. Presente em 67 países, o vírus chegou esta segunda-feira a Portugal.

O coronavírus criou uma nova camada de incerteza à perspetivas de crescimento global e da Zona Euro“, alertou o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, num discurso em Londres. Afirmou que o banco central “continua vigilante” e a “monitorizar de perto os dados que vão sendo recebidos”.

“Em qualquer caso, o Conselho de Governadores está pronto a ajustar todos os seus instrumentos”, acrescentou. Entre os instrumentos do BCE estão as taxas de juro e a compra de ativos. Ambos foram relançados em setembro do ano passado — com os juros em mínimos históricos e a taxa aplicada aos depósitos mesmo negativa (-0,5%) e aquisições de 20 mil milhões de euros por mês –, o que limita o espaço.

"O coronavírus criou uma nova camada de incerteza à perspetivas de crescimento global e da Zona Euro. (…) O Conselho de Governadores está pronto a ajustar todos os seus instrumentos.”

Luis de Guindos

Vice-presidente do BCE

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que está mais pessista quanto ao crescimento da economia global, alertou exatamente que os bancos centrais podem ajudar a aliviar a pressão do surto, mas que os efeitos serão “modestos” devido ao ponto de partida. “Perante um prolongado período de taxas baixas e de juros negativos, o impacto de medidas de política monetária adicionais, tanto na procura como na inflação, poderá ser apenas modesto“, afirmou a organização num relatório divulgado esta segunda-feira.

Além do BCE, também o Banco do Japão tem juros negativos. O governador banco central do país, Haruhiko Kuroda, garantiu igualmente estar a “monitorizar de perto” futuros desenvolvimentos para perceber a necessidade de “aumentar a liquidez no mercado e assegurar a estabilidade financeira”.

Mark Carney, do Banco de Inglaterra, disse estar a trabalhar com o regulador e com o ministério das Finanças britânico, bem como com parceiros internacionais, para tomarem “todos os passos necessários” para proteger a estabilidade financeira.

Mas a maior expetativa prende-se com o que fará a Reserva Federal norte-americana. O presidente Jerome Powell considera que o coronavírus representa “um risco para a atividade económica”, apesar de a economia norte-americana “continuar robusta”. Assim, a Fed irá “usar todas ferramentas e agir de forma apropriada para apoiar a economia”, segundo garantiu o norte-americano.

Se a epidemia agravar, a Fed poderá cortar juros a 18 de março, data da próxima reunião do banco central. Após três cortes nas taxas ao longo do ano passado, o intervalo de juros está atualmente entre 1,5% e 1,75%. No entanto, a posição da OCDE não é única e os analistas estão céticos quanto à capacidade de cortes nos juros de estimularem a despesa de famílias e empresas.

"Só por si, cortes de juros da Fed não vão resolver o problema. O que a Fed pode fazer é ajudar a facilitar o acesso a financiamento a famílias, negócios e governos locais que poderão ter problemas de cash flow devido ao vírus.”

John Lonski

Economista chefe da unidade de Capital Markets Research da Moody's

“Só por si, cortes de juros da Fed não vão resolver o problema”, disse John Lonski, economista chefe da unidade de Capital Markets Research da Moody’s, numa nota de research. “O que a Fed pode fazer é ajudar a facilitar o acesso a financiamento a famílias, negócios e governos locais que poderão ter problemas de cash flow devido ao vírus”.

Certo é que, para já, o único banco central que agiu foi o da China, país onde começou a epidemia. O Banco Central da China cortou os juros de referência a 20 de fevereiro, enquanto Pequim anunciou injeções de capital na economia. Mas, com o país praticamente paralisado, a reação após o fim do surto será determinante para limitar o impacto na segunda maior economia no mundo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Bancos centrais querem travar impacto do coronavírus na economia. O que podem fazer?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião