Coronavírus trava a fundo emissões poluentes na China. Mas até quando?

NASA e Agência Espacial Europeia registam quedas significativas na presença de gases poluentes sobre a China. A responsabilidade é do coronavírus, que fechou fábricas e fez abrandar a economia.

A relação é direta: à medida que a economia chinesa abranda de forma forçada, por causa da propagação do novo coronavírus pelo país e pelo mundo, as emissões de gases poluentes para a atmosfera estão a cair a pique. A análise tem base científica e foi já confirmada pelos satélites de monitorização da poluição da norte-americana NASA e da Agência Espacial Europeia (ESA) que “detetaram quedas significativas na presença de dióxido de nitrogénio (NO2) sobre a China”.

“Há provas de que esta alteração se deve, em grande parte, ao abrupto abrandamento económico no país na sequência do surto de coronavírus”, refere o NASA Earth Observatory em comunicado. Os mapas entretanto divulgados online mostram a comparação entre as concentrações na atmosfera de dióxido de nitrogénio — um gás nocivo proveniente dos veículos motorizados, centrais energéticas, fábricas e outras unidades industriais — no período de 1 a 20 de janeiro (antes da quarentena imposta à província de Wuhan, na China) e, posteriormente, de 10 a 25 de fevereiro (durante a quarentena).

Estes dados foram recolhidos por dois instrumentos diferentes de medição: o Tropospheric Monitoring Instrument (TROPOMI) localizado no satélite Sentinel-5, da ESA, e o Ozone Monitoring Instrument (OMI), a bordo do satélite Aura, da NASA. Dizem os cientistas da agência espacial norte-americana que a redução nas emissões de NO2 começou por ser mais evidente em Wuhan, mas acabou por se estender a quase todo o território chinês.

No início deste mês de março, o novo coronavírus tinha já sido detetado em, pelo menos, 56 países (Portugal incluído, com os dois primeiros casos confirmados pelo governo) e provocado mais de três mil mortos em todo o mundo.

“Esta é a primeira vez que se assiste a uma queda tão dramática das emissões, numa área tão alargada, na sequência de um evento específico”, disse Fei Liu, investigador em qualidade do ar no Goddard Space Flight Center da NASA, acrescentando que uma redução significativa nas emissões poluentes foi observada em Pequim durante os Jogos Olímpicos de 2008, mas o efeito foi localizado apenas na cidade e os níveis de poluição regressaram ao normal após o evento desportivo.

Liu recorda também uma queda a pique nas emissões de dióxido de nitrogénio em vários países, durante a última recessão económica que começou em 2008, mas neste caso a redução foi gradual e não tão acentuada como agora.

Todos os anos por esta altura a atividade económica abranda momentaneamente na China, por causa das celebrações do Ano Novo, com consequências positivas nas emissões poluentes. A diferença em 2020 é que os efeitos temporários se tornaram, de repente, mais persistentes no tempo e no espaço.

Ou seja, depois das festividades na China os cientistas ainda não observaram o esperado regresso ao normal dos gases poluentes lançados para a atmosfera. “Este ano, a taxa de redução é mais significativa do que em anos anteriores e está a durar mais tempo. O que não me surpreende, tendo em conta a quantidade de cidades na China que tomou medidas de contenção para travar a propagação do vírus”, rematou Liu.

A par das conclusões da NASA e da ESA, também um investigador do Centre for Research on Energy and Clean Air (CREA), uma organização independente de pesquisa com sede nos Estados Unidos, concluiu que o encerramento forçado de fábricas e a redução de voos na China para conter a propagação do coronavírus resultou numa queda temporária de pelo menos 25% nas emissões de dióxido de carbono da segunda maior economia do mundo. Isto tendo em conta que as medidas para conter o coronavírus resultaram em reduções de 15 a 40% na atividade industrial em todos os setores-chave.

“A procura de eletricidade e a produção industrial da China permanece muito abaixo dos níveis normais, segundo vários indicadores. É provável que isso tenha eliminado um quarto ou mais das emissões de CO2 do país durante as duas semanas seguintes ao feriado do Ano Novo chinês, período em que a atividade normalmente seria retomada“, disse o investigador Lauri Myllyvirta, do CREA, numa análise publicada no portal especializado Carbon Brief, no final de fevereiro. A sua pesquisa indica que, nas últimas semanas, a China emitiu menos 100 milhões de toneladas de dióxido de carbono, face ao mesmo período do ano passado, um volume que equivale ao dióxido de carbono que a cidade de Nova York emite num ano, por exemplo.

Nas mesmas semanas de 2019, a China lançou para a atmosfera cerca de 400 milhões de toneladas de CO2.

Outra ordem de grandeza: Lauri Myllyvirta sublinha que uma quebra de 25% nas emissões poluentes da China é igual a uma redução de 6% a nível global. Comparando com Portugal, os dados mais recentes do Eurostat (relativos a 2017) mostram que num ano o país emite 74,6 milhões de toneladas de CO2 equivalente (1,7% do total da União Europeia).

No entanto, outros analistas temem o “reverso da medalha”, ou seja, uma explosão nas emissões poluentes do gigante asiático quando o Governo de Pequim puser em prática medidas destinadas a estimular a economia, que vão acabar por reverter a baixa no consumo de combustíveis fósseis e, consequentemente, aumentar a poluição, como aconteceu após a crise financeira global de 2015.

“Esta mudança nas emissões de CO2 da China não é permanente. E não será visível nas emissões totais”, disse por seu lado Joeri Rogelj, especialista em mudanças climáticas da universidade Imperial College, de Londres, citado pela BBC.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Coronavírus trava a fundo emissões poluentes na China. Mas até quando?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião