China mantém metas de crescimento económico apesar do vírus. Vai apoiar empresas

  • Lusa
  • 24 Fevereiro 2020

Pequim está a estudar reduzir a carga fiscal e as taxas de juros no crédito concedido às empresas, assim como atribuir compensações às áreas pobres mais atingidas pelo surto.

As autoridades chinesas prometeram reduzir impostos e apoiar as empresas a recuperarem dos prejuízos causados pelo surto do coronavírus Covid-19, expressando confiança de que as metas de crescimento do Partido Comunista podem ser alcançadas.

Em conferência de imprensa, as autoridades financeiras e de planeamento económico revelaram estar a estudar a melhor forma de apoiar as empresas, depois de o Presidente chinês, Xi Jinping, ter prometido publicamente, na semana passada, ajudas ao setor agrícola e outras indústrias.

O setor manufatureiro começou nos últimos dias a recuperar a atividade, mas analistas consideram que só a partir de meados de março é que as fábricas e construtoras poderão retomar a sua capacidade total.

A mobilização nacional contra a propagação da doença, que surgiu em dezembro passado, em Wuhan, centro do país, envolveu restrições à movimentação de centenas de milhões de pessoas, durante mais de um mês, ditando o encerramento de fábricas e negócios.

Pequim está a estudar reduzir a carga fiscal e as taxas de juros no crédito concedido às empresas, assim como atribuir compensações às áreas pobres mais atingidas pelo surto, disse o vice-ministro das Finanças, Ou Wenhan.

“Faremos um bom trabalho na implementação da redução das taxas de juros em larga escala e diferimento de impostos, e garantiremos uma implementação eficaz o mais rápido possível”, garantiu.

As autoridades locais enfrentam agora um dilema entre as ordens para retomar a atividade económica e conter a propagação do vírus. O regresso de centenas de milhões de pessoas ao trabalho poderia resultar em novo aumento das infeções.

No domingo, Xi Jinping ordenou que regiões com baixo risco de contágio levantem restrições e retomem a atividade, enquanto as regiões de alto risco devem concentrar-se no controlo. Xi disse ainda que as autoridades também devem garantir o plantio da primavera nas zonas rurais.

Questionado se Pequim vai reduzir as suas metas de crescimento económico para este ano, o secretário geral da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, o órgão máximo chinês de planificação económica, disse estar confiante de que o impacto do vírus é temporário.

O Partido Comunista ainda não anunciou a meta de crescimento económico para este ano, após em 2019 ter crescido ao mais baixo ritmo em quase três décadas, de 6,1%.

Analistas esperam que a segunda maior economia mundial cresça 6% este ano, mas advertem que se a doença não for controlada rapidamente, o crescimento poderá cair para 5%, aumentando o risco de perda maciça de empregos, algo visto como politicamente perigoso para o regime.

“O impacto do surto na economia e na sociedade é de curto prazo e geralmente controlável e não mudará os fundamentos económicos positivos de longo prazo da China”, garantiu Cong Liang. “As metas de desenvolvimento económico e social para 2020 podem ser alcançadas”, apontou.

O número de pacientes e mortos na China continental fixou-se hoje em 77.150 e 2.592, respetivamente. No entanto, apenas sete entre as 27 províncias e regiões autónomas da China continental reportaram novos casos diários.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China mantém metas de crescimento económico apesar do vírus. Vai apoiar empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião