Coronavírus: “O FMI e o Banco Mundial estão prontos a ajudar os países”

Instituições garantem que vão usar "todo o potencial possível dos instrumentos disponíveis", incluindo financiamento de emergência, aconselhamento político ou assistência técnica.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial estão disponíveis para usar os instrumentos de financiamento de emergência para dar apoio aos países que precisem devido ao coronavírus. Num comunicado conjunto, as instituições internacionais dizem que estão especialmente atentas aos países mais pobres.

“O FMI e o Banco Mundial estão prontos a ajudar os países membros a lidarem com a tragédia humana e com o desafio económico constituído pelo vírus Covid-19. Estamos ativamente a trabalhar com instituições internacionais e autoridades dos países, com especial atenção para os países pobres onde os sistemas de saúde são mais fracos e as pessoas são mais vulneráveis”, dizem as duas instituições.

Garantem que vão usar “todo o potencial possível dos instrumentos disponíveis”, incluindo financiamento de emergência, aconselhamento político ou assistência técnica. “O reforço dos sistemas de saúde é crucial para limitar a disseminação deste vírus e de outros possíveis surtos“, defendem.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) alertou, esta segunda-feira, para o impacto negativo que o coronavírus vai ter na economia mundial e reviu em baixa as estimativas, admitindo uma quebra ainda mais acentuada perante o prolongar da epidemia. Prevê que a economia mundial cresça 2,4% em 2020 (contra a anterior projeção de 2,9%), apontando para que o PIB da Zona Euro cresça apenas 0,8% este ano, contra os 1,1% na anterior estimativa.

A organização alertou ainda que os bancos centrais podem ajudar a aliviar a pressão, mas os efeitos serão “modestos”. Terão de ser os países a agir, aumentando o investimento público, para ajudar a economia a recuperar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus: “O FMI e o Banco Mundial estão prontos a ajudar os países”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião