Christine Lagarde descarta resposta imediata do BCE ao coronavírus

  • ECO e Lusa
  • 27 Fevereiro 2020

Para a presidente do Banco Central Europeu (BCE), a epidemia do coronavírus ainda não desencadeou um "impacto duradouro" na inflação e na oferta e procura. Resposta imediata está, para já, de parte.

O Banco Central Europeu (BCE) está a seguir “muito cautelosamente” a epidemia de coronavírus. Mas, para já, estão afastadas medidas de política monetária que respondam à propagação deste surto, um problema que ameaça travar o crescimento da economia europeia e que está a provocar uma derrocada nas bolsas mundiais.

Em declarações ao Financial Times (acesso pago), a presidente do BCE, Christine Lagarde, afirmou que o banco central está a acompanhar a situação, mas indicou que ainda não foi alcançado o patamar a partir do qual a epidemia terá um “impacto duradouro” na inflação, assim como na procura e na oferta. Desta forma, para Lagarde, o surto ainda não exige uma resposta de política monetária.

De acordo com o jornal, estes comentários da líder do BCE sinalizam que o banco central estará a ponderar não alterar as taxas de juro na reunião do comité de política monetária. O próximo encontro terá lugar dentro de duas semanas.

Esta posição surge mesmo depois de várias entidades terem cortado as previsões de crescimento da Zona Euro, devido ao impacto do coronavírus. O Bank of America reduziu a estimativa de crescimento da Zona Euro de 1% para 0,6%, enquanto o Credit Suisse cortou a estimativa de 0,9% para 0,5%, segundo o Financial Times.

O surto teve origem na China e o vírus já infetou dezenas de milhares de pessoas. No entanto, esta semana representou um ponto de viragem, a partir do qual o vírus passou a infetar mais pessoas fora da China do que no território chinês. Um dos casos mais preocupantes é o de Itália. Na região de Milão, há já mais de quatro centenas de pessoas infetadas pelo vírus.

FMI diz que há financiamento para países que necessitem

O Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial prepararam programas de financiamento imediato que podem ser utilizados pelos países que tenham dificuldades em enfrentar a epidemia de coronavírus, indicou um porta-voz do FMI.

“As duas instituições desenvolveram programas de emergência”, declarou Gerry Rice em conferência de imprensa, acrescentando que até agora nenhum país pediu ajuda. “Dispomos de instrumentos financeiros que podem ser utilizados. Temos instrumentos rápidos, de facilidade de crédito rápido para apoiar os países” em caso de epidemia ou desastres naturais, explicou, lembrando o caso do Ébola.

Questionado sobre a forma como a China lidou com o problema de propagação do novo coronavírus, Gerry Rice sublinhou que o FMI apoia “firmemente” o país. “Adotaram uma série de medidas importantes”, observou.

Além disso, o porta-voz do FMI reafirmou que em breve deverá ser tomada uma decisão sobre se as reuniões de primavera do FMI e do Banco Mundial previstas para o início de abril se realizam e em que formato. “Estamos confiantes de que, independentemente do formato, essas reuniões serão bem-sucedidas”, adiantou.

Moody’s diz que crescimento de Itália pode ser penalizado

A agência de notação financeira Moody’s afirmou que o surto de coronavírus pode penalizar a economia italiana, aumentando os riscos de uma recessão, mas considerou improvável que isso afete a classificação da dívida.

Numa nota com data de quarta-feira, a agência de rating refere que os casos de coronavírus reportados pelas autoridades italianas concentram-se nas regiões mais industrializadas do norte do país, onde foram adotadas medidas de quarentena e restrições nas viagens.

O surto de coronavírus pode agravar as perspetivas de um fraco crescimento e aumentar o risco de a Itália entrar em recessão“, indicou a Moody’s.

Embora nesta fase ainda não se saiba qual a duração e a dimensão desse impacto, a Moody’s considera muito provável que haja um efeito temporário no consumo e na produção.

Segundo a agência, que assume esperar que o surto seja contido em breve, um enfraquecimento adicional da economia pode não implicar uma alteração no rating da dívida de Itália (Baa3 estável).

Com 258 casos de coronavírus e 14 mortos, a Itália é atualmente o país mais afetado da Europa.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência de saúde pública de âmbito internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão nos últimos dias.

(Notícia atualizada às 17h36 com posição do BCE e do FMI)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Christine Lagarde descarta resposta imediata do BCE ao coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião