Metro do Porto com desinfeções diárias e limpeza reforçada para travar coronavírus

  • Lusa
  • 9 Março 2020

A Metro do Porto vai promover desinfeções diárias e a limpeza será reforçada na STCP, em pleno surto de coronavírus que está a ter mais impacto no norte do país.

A Metro do Porto e a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) revelaram à Lusa que estão a reforçar a limpeza das suas viaturas, fazendo desinfeções diárias devido ao surto de Covid-19. A STCP adotou ainda “cuidados especiais” com os motoristas, tentando reduzir “ao mínimo” o contacto com os passageiros, pelo que recomenda evitar compras do bilhete a bordo e assinalou, no pavimento dos autocarros, a distância que os utentes devem manter em relação ao condutor.

Em resposta a questões da Lusa, a Metro do Porto refere a “desinfeção diária de todos os veículos, incluindo as cabines de condução e os salões dos passageiros”, bem como de “corrimões e outros pontos de contacto existentes nas estações subterrâneas”. A Metro do Porto acrescenta que, nos próximos dias, vai “receber e imediatamente começar a utilizar equipamento de limpeza de largo espectro, mais eficaz e com garantias de uma higienização mais prolongada no tempo”.

A empresa esclarece ainda que, para além do plano de contingência interno, tem outro “com dimensão externa” e “respeitante a toda a operação diária da rede”. “O plano de contingência da Metro do Porto é faseado, sendo aplicado nos seus diversos níveis consoante o evoluir da situação”, observa. A empresa refere também que “mantém desde a primeira hora contactos diretos com a Direcção-Geral de Saúde (DGS) e com outros organismos do Ministério da Saúde, com o objetivo de avaliar situações e de implementar as ações decididas na prevenção e no combate ao Covid-19”.

Também a STCP diz assumir “como prioridade estar preparada para qualquer crise de saúde pública”, estando, por isso, “atenta ao surto mundial de coronavírus e a desencadear as medidas adequadas para as diferentes fases da sua evolução, seguindo as orientações da DGS. “A principal preocupação da empresa é, sem qualquer dúvida, a segurança dos seus trabalhadores e clientes. Os motoristas e guarda-freios da STCP são essenciais à prestação do serviço, pelo que devem ser tomados cuidados especiais para evitar que adoeçam”, alerta a empresa, na resposta escrita enviada à Lusa.

Para a STCP, é “importante que a exposição” dos motoristas “aos potenciais riscos seja reduzida”, pelo que “os contactos [dos passageiros] com os motoristas e guarda-freios devem ser reduzidos ao mínimo”. “Os passageiros devem, ainda, guardar distância em relação ao motorista, à semelhança do que é recomendado para outros contactos em locais públicos. Isto significa que não devem permanecer na área delimitada pelo traço vermelho ou amarelo existente no pavimento, após o posto do motorista”, descreve.

A empresa refere que “poderão ainda ser adotadas medidas suplementares de proteção para os motoristas, em função da avaliação do risco, em permanente monitorização pela equipa de trabalho interna”. Estão ainda “previstas medidas de ajustamento de serviço de transporte, a serem acionadas em cenários de agravamento, por orientações da DGS ou de outro organismo público competente”.

Para os casos de doença suspeitos que possam surgir em serviço, “foram criadas áreas de isolamento em diversas instalações da empresa, devidamente equipadas respeitando as orientações publicadas no site da DGS”, acrescenta. Entre as medidas preventivas adotadas pela STCP está o “reforço do programa de desinfeção das viaturas e instalações” e a “operacionalização e higienização dos locais de isolamento”.

A isto, soma-se o “reforço no processo de aquisição de produtos de proteção e desinfeção, para uso em caso de necessidade por trabalhadores da empresa”. Está ainda a ser reforçado o “controlo de acessos nas instalações da empresa, nomeadamente procedimentos de rastreio preliminar de sintomas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Metro do Porto com desinfeções diárias e limpeza reforçada para travar coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião