TAP suspende mais 2.500 voos por causa do coronavírus. Na semana passada tinham sido mil

Depois de ter cancelado 1.000 voos devido ao surto de coronavírus, a TAP anuncia agora o cancelamento de outras 2.500 viagens. Alterar data ou destino dos voos não terá custos.

Depois de, na semana passada, ter cancelado 1.000 voos devido ao surto de coronavírus, a TAP anuncia agora o cancelamento de outras 2.500 viagens. Novamente, estas medidas justificam-se com a “quebra nas reservas para os próximos meses”. Para tranquilizar os clientes, a companhia aérea vai permitir alterar a data ou o destino dos voos comprados durante este mês, sem quaisquer custos.

Esta redução total de 3.500 voos equivale a “7% dos voos programados em março, 11% em abril e 19% em maio”, refere a TAP, em comunicado. “Estas medidas justificam-se pela quebra nas reservas de viagens para os próximos meses que se tem verificado nos últimos dias”.

Estes novos cancelamentos afetam, sobretudo, “cidades nas regiões mais afetadas, sobretudo Itália”, mas contemplam ainda outros mercados europeus, como Espanha e França, “que mostram maiores quebras da procura”, e ainda alguns voos intercontinentais. A companhia aérea diz que vai contactar todos os passageiros afetados por estes cancelamentos, de forma a serem encontradas “as melhores opções e alternativas”.

De forma a garantir uma “maior flexibilidade e tranquilidade” aos clientes, a TAP está a permitir, desde ontem, que os passageiros alterem a data ou o destino dos voos marcados — para bilhetes comprados entre 8 e 31 de março –, sem quaisquer custos ou taxas. Esta isenção deixa de fora, contudo, as tarifas discount, refere a companhia aérea, sendo que o pedido de alteração da viagem tem de ser feito, no mínimo, 21 dias antes da partida.

Para a empresa, a prioridade é a “proteção da saúde dos seus trabalhadores e passageiros” e, para isso, diz estar a trabalhar com várias entidades, como por exemplo a Direção-Geral de Saúde (DGS) e a Organização Mundial de Saúde (OMS). Além disso, a TAP “ativou, desde o início do surto, o seu plano de contingência, que contempla todas as recomendações e procedimentos ditados pelas autoridades de saúde nacionais e internacionais”.

Coronavírus afeta também outras companhias aéreas

A TAP não foi a única companhia aérea a anunciar a suspensão de voos devido aos efeitos do coronavírus. Os primeiros cancelamentos foram anunciados pela easyJet, que decidiu cancelar alguns voos com saída e destino para Itália, país que está a registar um número bastante elevado de casos. À companhia britânica seguiu-se a Ryanair, que depois de ter cancelado até 25% dos voos durante três semanas, anunciou esta segunda-feira novos cancelamentos, consequência das imposições do Governo italiano.

“A Ryanair anunciou hoje novos cancelamentos na sua programação de voos de/para Itália, e dentro do território italiano, devido ao bloqueio de viagens imposto pelo Governo italiano, durante o passado fim-de-semana de/para a zona laranja no norte da Itália, além das restrições impostas por vários países da União Europeia que restringem os voos de/para o norte de Itália com efeito imediato“, referiu a empresa irlandesa, em comunicado.

Também esta segunda-feira, em comunicado, a Emirates anunciou uma nova política para facilitar reservas e cancelamentos de voos, disponibilizando uma maior escolha e flexibilidade para alteração e reagendamento de voos sem penalizações. Assim como a TAP, incluídos estão os bilhetes emitidos até 31 de março, e as alterações podem ser feitas para qualquer data dentro de um período de 11 meses na mesma classe de reserva.

(Notícia atualizada às 17h36 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP suspende mais 2.500 voos por causa do coronavírus. Na semana passada tinham sido mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião