Covid-19: Ryanair cancela até 25% dos voos de e para Itália durante três semanas

  • Lusa
  • 2 Março 2020

A companhia irlandesa diz ter notado uma "queda significativa" nas reservas para o período entre o final de março e o início de abril.

A companhia aérea Ryanair anunciou esta segunda-feira que vai cancelar até 25% dos seus voos de curta duração, maioritariamente de e para Itália, entre 17 de março e 8 de abril, devido ao surto do novo coronavírus.

“A Ryanair hoje notificou os passageiros de que estava a reduzir o seu programa de voos de curta distância (principalmente de e para a Itália) em até 25% por um período de três semanas, de terça-feira, 17 de março, a quarta-feira, 08 de abril, em resposta ao vírus Covid-19″, lê-se num comunicado enviado pela companhia low-cost.

A Ryanair esclarece que na última semana registou uma “queda significativa” nas reservas para o período entre o final de março e o início de abril, devido ao surto do Covid-19. A companhia diz ter notado um também um “aumento significativo” de passageiros que não comparecem em voos, principalmente com partida em Itália.

“A Ryanair não espera que estes cancelamentos tenham um impacto material nas orientações do ano fiscal atual (que termina no final de março de 2020), mas é muito cedo para especular qual o impacto que o surto de Covid-19 terá nos resultados do ano fiscal de 2021”, admite a companhia aérea.

A companhia irlandesa garante que vai continuar a monitorizar “cuidadosamente” as reservas e a flexibilizar os seus horários, mediante os desenvolvimentos do surto de Covid-19, seguindo as diretrizes da Organização Mundial de Saúde e da Agência Europeia para a Segurança da Aviação.

A nossa prioridade neste momento é minimizar qualquer risco para o nosso pessoal e os nossos passageiros. Embora tenhamos muitas reservas nas próximas duas semanas, houve uma queda notável nas reservas para o final de março, até ao início de abril. Faz sentido alterar seletivamente a nossa programação de e para os aeroportos nos quais as viagens foram mais afetadas pelo surto de Covid-19”, refere, em comunicado, o presidente executivo do grupo Ryanair, Michael O’Leary.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Ryanair cancela até 25% dos voos de e para Itália durante três semanas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião