Coronavírus leva easyJet a cancelar voos de e para Itália

  • Lusa
  • 28 Fevereiro 2020

A companhia low-cost decidiu cancelar alguns voos com saída e com destino daquele país. Mas, para já, a decisão não abrange as ligações entre Itália e Portugal.

A easyJet vai cancelar alguns voos de e para Itália por causa dos casos do novo coronavírus detetados naquele país, que provocaram uma redução na procura e na taxa de ocupação dos voos, anunciou a companhia aérea britânica. As ligações com Portugal, para já, não vão ser afetadas, garante a empresa.

Numa nota divulgada esta sexta-feira, a easyJet diz que observou um abrandamento na procura e na taxa de ocupação dos voos para as bases no norte de Itália, onde o surto de Covid-19 já matou 14 pessoas e infetou pelo menos 400.

Para diminuir o impacto do Covid-19 nas contas da companhia, a easyJet adianta estar empenhada numa “gestão de eficiência operacional e de controlo de custos em diversas áreas do negócio”, que inclui cortes nas áreas administrativas, congelamento do recrutamento, promoções e aumentos salariais, oferta de licenças não remuneradas e interrupção de formações não obrigatórias e a realocação de aviões para o verão de 2020.

Estamos também a registar um abrandamento na procura nos restantes mercados europeus onde operamos. Como resultado, iremos cancelar alguns voos, principalmente os que entram e saem de Itália, enquanto continuaremos a monitorizar a situação, adaptando o nosso plano de voos para corresponder à procura do mercado”, refere a companhia área de baixo custo.

A empresa admite que ainda é cedo para determinar qual será o impacto do surto do Covid-19 para os negócios das companhias aéreas e do turismo e esclarece que continuará atenta a todos os desenvolvimentos, atualizando a informação junto de todos os mercados, sempre que se justifique.

“A easyJet está a trabalhar em estreita colaboração com as autoridades e a seguir as diretrizes fornecidas pela Organização Mundial da Saúde e pela Agência Europeia para a Segurança da Aviação para garantir a saúde e o bem-estar dos nossos colaboradores e clientes”, afirma, lembrando que tem um grupo de trabalho multidisciplinar que reúne diariamente para garantir a eficácia de todos os processos e políticas da empresa.

A companhia aérea low-cost diz ainda que os procedimentos que está a aplicar para lidar com doenças transmissíveis são semelhantes aos desenvolvidos durante a epidemia de SARS e outras emergências de saúde global. A easyJet tem várias ligações de Lisboa para Itália, nomeadamente com o aeroporto de Milão, mas já garantiu que estas não serão, para já, afetadas pelos cancelamentos.

O Covid-19, detetado em dezembro na China e que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou pelo menos 2.858 mortos e infetou mais de 83 mil pessoas, de acordo com dados reportados por meia centena de países e territórios. Das pessoas infetadas, mais de 36 mil recuperaram.

Além de 2.788 mortos na China, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Japão, Filipinas, Hong Kong e Taiwan. Na Europa, o Covid-19 já provocou mortes em Itália e França. Dois portugueses tripulantes de um navio de cruzeiros encontram-se hospitalizados no Japão, um dos quais com confirmação de infeção e o outro por indícios relacionados com o novo coronavírus.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão.

Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

Já depois da publicação desta notícia, a easyJet veio garantir que, por enquanto, os voos da companhia entre Portugal e Itália não serão afetados pelos cancelamentos e que a empresa está a acompanhar o evoluir da situação no norte de Itália.

Contactada pela agência Lusa, fonte da companhia aérea disse que o comunicado desta sexta-feira serve de alerta para um eventual cancelamento de voos de e para Itália, mas esclareceu que, por enquanto, as ligações com Portugal não estão abrangidas.

A nota foi emitida porque a empresa está cotada na bolsa e porque está a ser vivida uma situação anómala no norte de Itália, onde a empresa tem uma boa parte das suas operações, adianta a mesma fonte.

Em relação às ligações da easyJet com Itália a partir de outros aeroportos europeus, a mesma fonte disse que a companhia ainda não identificou voos a cancelar nem quando é que tal poderá vir a acontecer.

(Notícia atualizada às 8h57 com a informação de que, para já, os cancelamentos não afetam as ligações de Itália a Portugal)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus leva easyJet a cancelar voos de e para Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião