Itália estende quarentena a todo o país. Já morreram 463 pessoas devido ao coronavírus

Depois da China, Itália é o país com mais casos confirmados de coronavírus. Face a estes números, o Governo decidiu estender a quarentena a todo o país.

Itália já é o segundo país do mundo com mais casos confirmados de coronavírus. Só esta segunda-feira, o número de mortos devido a este surto aumentou em 97, alcançando um total de 463, de acordo com dados da Agência de Proteção Civil, citados pela Reuters (conteúdo em inglês). Face a estes desenvolvimentos, o Governo italiano decidiu estender a quarentena a todo o país, proibindo as movimentações dentro do país, excetuando casos necessários.

“Toda a Itália deve ficar em casa”, disse o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciando um alargamento da quarentena decretada à zona norte de Lombardia a todo o país. “Toda a Itália será uma área protegida”, continuou, citado pelo jornal La Stampa (conteúdo em italiano), explicando que estão proibidas as movimentações de pessoas, a não ser em casos de “necessidade comprovada”.

“O contágio está a aumentar”, referiu o governante, adiantando que o país vai adotar “medidas ainda mais fortes e rigorosas”. “Os hábitos precisam de mudar para o bem de Itália. Fiquem em casa”, apelou, durante uma conferência de imprensa. “Deixará de haver uma zona vermelha”, continuou, referindo que “toda a Itália será uma área protegida”.

“As viagens por todo o país serão evitadas, a menos que haja razões comprovadas de trabalho ou em casos de necessidade e de saúde”, disse, notando: “vamos verificar as entradas no país”. Conte explicou que os cidadãos são livres de decidirem se uma viagem é, ou não, necessária, mas, caso não seja, poderão incorrer em crime.

O primeiro-ministro disse ainda que vai proibir “reuniões ao ar livre”, que serão cancelados quaisquer eventos desportivos e que as escolas e universidades continuarão fechadas até 3 de abril. “Não existem razões para que prossigam os jogos e os eventos desportivos, e penso, nomeadamente, no campeonato de futebol. Lamento, mas todos os adeptos devem acatar a decisão”, disse.

Giuseppe Conte admitiu ainda que os impactos para a economia italiana serão inevitáveis e, por isso, é possível acontecer um “desvio ainda maior do que o previsto para o défice”, que poderá chegar até aos 2,5% do PIB. O primeiro-ministro acordou com a União Europeia agravar em 7,5 mil milhões de euros o défice orçamental mas, perante a gravidade da situação, já está a ponderar a “possibilidade de avançar com um pedido um pouco mais elevado”.

Os dados da Agência de Proteção Civil dão conta de 463 mortos por coronavírus, tendo o número total de infetados aumentado 24% para 9.172. Esta foi a maior subida em termos diários desde que o surto foi registado pela primeira vez no país, a 21 de dezembro. Dos primeiros infetados, 724 já recuperaram completamente, estando cerca de 733 em tratamentos intensivos.

Esta segunda-feira, o Governo português anunciou a suspensão dos voos de/para as regiões mais afetadas pelo coronavírus em Itália. A suspensão de todos os voos com destino ou origem nos aeroportos italianos de Milão-Malpensa, Internacional II Caravaggio (Bérgamo) e Internacional Marco Polo, que serve a cidade de Veneza, aplica-se aos aeroportos de Francisco Sá Carneiro, no Porto, Humberto Delgado, em Lisboa, e Internacional de Faro.

(Notícia atualizada às 21h29 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália estende quarentena a todo o país. Já morreram 463 pessoas devido ao coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião