Covid-19 mata 79 em Itália. Infeta 150 em Espanha

  • Lusa
  • 3 Março 2020

O número de casos detetados em Itália por coronavírus situa-se nos 2.263, dos quais 79 morreram. Em Espanha, há já 150 infetados, sete dos quais considerados mais graves.

As autoridades de Itália confirmaram esta terça-feira o registo até agora de 79 mortes causadas pelo novo coronavírus naquele país, mais 27 casos mortais em relação ao balanço oficial divulgado na segunda-feira.

O chefe da Proteção Civil italiana, Angelo Borrelli, informou ainda, na conferência de imprensa diária, que o número de pessoas infetadas com o novo coronavírus em Itália situa-se neste momento nos 2.263 casos, contra os 2.036 casos anunciados na segunda-feira.

Entre o número total de vítimas mortais, 55 foram verificadas na região de Lombardia, que engloba Milão, a capital económica do país, que é a zona de Itália mais afetada pelo surto do novo coronavírus.

A Itália é o país europeu mais afetado com casos de Covid-19, o nome atribuído pela Organização Mundial Saúde (OMS) à doença provocada pelo novo coronavírus que foi detetado pela primeira vez no final do ano em Wuhan, na província de Hubei (centro da China).

Infetados em Espanha sobe para 150 com sete casos mais graves

Em Espanha, os casos de coronavírus subiram esta terça-feira para 150, dos quais sete mais graves estão em Unidades de Cuidados Intensivos, estando as autoridades sanitárias a avaliar se devem subir o nível de alerta em duas zonas mais atingidas.

O diretor do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências Sanitárias do Ministério da Saúde espanhol, Fernando Simón, explicou esta quinta-feira que o cenário “não mudou substancialmente” desde segunda-feira, embora se esteja a aguardar testes que podem “indicar” 15 novos casos confirmados cuja origem está a ser verificada, a maioria localizados na comunidade autónoma de Madrid.

Fernando Simón avançou que as comunidades autónomas de Madrid e do País Basco estão a avaliar uma eventual mudança do cenário de “contenção” da doença para “mitigação” em duas das áreas de “maior preocupação” – Torrejón de Ardoz (Madrid) e Vitória (País Basco) -, uma vez que a origem da infeção é desconhecida, e nesse novo cenário seriam adotadas medidas adicionais.

No total, são 150 casos nas várias regiões autónomas, dos quais 49 na de Madrid, 15 estão localizados na Catalunha e outros 15 em Valência, 13 no País Basco e também 13 na Andaluzia, 10 na Cantábria, oito em Castela e Leão, sete em Castela-Mancha e mais sete nas Canárias, seis na Extremadura, três em A Rioja, dois nas ilhas Baleares, um nas Astúrias e também um em Navarra.

Das 211 pessoas em isolamento doméstico no País Basco por terem tido contacto com pessoas infetadas, 100 são profissionais de saúde.

Questionado sobre o jogo de futebol da Liga dos Campeões entre o Valência e o Atlanta Bergamo em 10 de março próximo, Simon disse que se está a estudar quais as medidas que devem ser tomadas e possivelmente haverá uma decisão ainda esta terça-feira.

O responsável começou a conferência de imprensa diária com um pedido de desculpas à comunidade religiosa evangélica por ter revelado na segunda-feira que havia um grupo religioso desta confissão infetado, afirmando que entendia o seu “desconforto”.

A epidemia de Covid-19 provocada pelo novo coronavírus, que pode causar infeções graves respiratórias como pneumonia, causou até à data mais de 3.100 mortos e infetou mais de 90.300 pessoas em cerca de 70 países e territórios, incluindo quatro em Portugal. Das pessoas infetadas, cerca de 48 mil recuperaram, segundo autoridades de saúde de vários países.

Além de 2.943 mortos na China, onde o surto foi detetado em dezembro, há registo de vítimas mortais no Irão, Itália, Coreia do Sul, Japão, França, Hong Kong, Taiwan, Austrália, Tailândia, Estados Unidos da América, San Marino e Filipinas.

A OMS declarou o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional de risco “muito elevado”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 mata 79 em Itália. Infeta 150 em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião