FMI defende “resposta internacional coordenada” sobre Covid-19

  • Lusa
  • 9 Março 2020

O Fundo Monetário Internacional defende que os governos devem dar "uma resposta internacional coordenada" para atenuar o impacto económico do surto. Líderes europeus vão reunir em teleconferência.

Os governos devem dar “uma resposta internacional coordenada” para atenuar o impacto económico da epidemia de coronavírus, defendeu esta segunda-feira a economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), sugerindo a adoção de medidas orçamentais, monetárias e financeiras “importantes”.

Para ajudar as famílias e as empresas afetadas, Gita Gopinath preconizou ajudas diretas e medidas de alívio fiscal.

Num texto divulgado pelo FMI, Gopinath sublinhou a importância de apoiar a economia durante a epidemia para manter “intacta a rede de relações económicas e financeiras entre trabalhadores e empresas, entre credores e devedores, entre fornecedores e utilizadores para permitir uma recuperação quando a epidemia desaparecer”.

A economista refere que o desafio é “impedir que uma crise temporária cause danos irreparáveis a pessoas e empresas devido a perdas de empregos e falências”.

Os custos humanos do coronavírus aumentaram “a um ritmo alarmante”, notou, acrescentando que o impacto económico é “já visível” nos países mais afetados.

Apontando o exemplo da China, Gopinath observou que se a baixa da produção é comparável à que foi registada no início da crise financeira mundial, em 2008, a diminuição no setor dos serviços “parece desta vez mais significativa”.

Gita Gopinath assinalou também que a economia tem-se ressentido dos esforços para conter a propagação da doença através de períodos de quarentena.

Do lado da procura, a perda de rendimentos, o medo do contágio e a intensificação da incerteza vai levar a uma diminuição dos gastos das famílias. “Pode haver despedimento de trabalhadores dado que as empresas não podem pagar os salários. Os efeitos podem ser particularmente graves em determinados setores, como o turismo e a hotelaria, como se tem visto no caso de Itália”, exemplificou.

“Os decisores devem adotar medidas importantes de ordem orçamental, monetária e financeira para ajudar as famílias e as empresas atingidas”, defendeu.

Líderes europeus em teleconferência para coordenar respostas

Também esta segunda-feira, o presidente do Conselho Europeu, Charles MIchel, anunciou que, “em breve”, os líderes da União Europeia (UE) se vão reunir através de teleconferência para coordenar as respostas ao novo coronavírus.

Vou promover, em breve, uma teleconferência dos membros do Conselho Europeu para coordenar os esforços da UE relativamente ao Covid-19”, anunciou Charles Michel através da sua conta oficial da rede social Twitter.

“Temos de cooperar para proteger a saúde dos nossos cidadãos”, adiantou.

Dados divulgados esta segunda-feira pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC, na sigla em inglês) revelam que já existem 109.695 casos em todo o mundo de Covid-19, que pode provocar infeções respiratórias como pneumonia.

Na UE, o Estado-membro mais afetado é Itália, com 7.375 casos, seguindo-se França (1.126), Alemanha (902), Espanha (589), de acordo com o ECDC. Portugal tem 30 casos confirmados. Ao todo, o surto já causou 3.811 mortes em todo o mundo, a quase totalidade (3.122) na China, mas também em grande escala em Itália (366) e no Irão (194).

Também esta segunda-feira, o secretariado-geral do Conselho da UE anunciou medidas preventivas relativamente ao covid-19 para aplicar naquele organismo, à semelhança do já feito pelo Parlamento Europeu e pela Comissão Europeia, que já foram comunicadas aos delegados dos Estados-membros e produzem efeitos a partir desta segunda-feira.

Assim, ficou decidido que o número de reuniões do Conselho e das suas instâncias preparatórias e grupos de trabalho será reduzido, que a dimensão das delegações que participam em reuniões será limitada e ainda que todas as visitas de grupo e todas as formações não essenciais serão suspensas, anuncia o secretariado-geral do Conselho da UE em comunicado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI defende “resposta internacional coordenada” sobre Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião