Coronavírus já provocou quebra superior a 30% nas receitas da hotelaria

Não é novidade que o surto de coronavírus está a ter impacto no setor hoteleiro, mas a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) vem agora falar em perdas de 30% nas receitas.

O coronavírus está a ter impacto no setor do turismo, com os hotéis e os proprietários de alojamento local a sofrerem sucessivas quebras e cancelamentos nas reservas. As consequências reais já começam a ser conhecidas, com a hotelaria a registar perdas de receitas superiores a 30% devido a este surto, assim como quedas acentuadas do ritmo de reservas futuras.

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) já tinha adiantado que estava a sofrer com vários cancelamentos de reservas, principalmente depois do aumento do número de casos na Europa. “Naturalmente, neste momento, há um abrandamento severo das viagens e um cancelamento das reservas em fevereiro e março”, disse, na semana passada, Cristina Siza Vieira, em declarações ao ECO, notando que a principal preocupação do setor é a Páscoa.

Contudo, nessa altura ainda não era possível apurar o impacto real do surto de coronavírus e, por isso, a AHP realizou um inquérito flash para traçar um cenário. Os resultados serão conhecidos na quinta-feira, mas as conclusões preliminares mostram que “as taxas de cancelamento estão muito acima das verificadas em anos anteriores”.

Em comunicado, a associação refere ainda que os efeitos estão a ser sentidos “não só nos cancelamentos imediatos, mas também nas reservas futuras”, com as cadeias hoteleiras a “indicar que estão já a registar importantes cancelamentos de reservas futuras”. Em números, o surto já provocou perdas de receitas superiores a 30%, conclui o inquérito.

Esta quinta-feira, a AHP vai apresentar as conclusões do inquérito, que vão deixar perceber também qual o impacto deste surto na taxa de ocupação, quais as regiões mais afetadas e em que medidas estarão comprometidos os resultados do ano turístico.

Ao ECO, a Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) também já admitiu impactos nas unidades de alojamento local de todo o país, com quase todos os proprietários a reportarem cancelamentos de reservas. O presidente da associação, Eduardo Miranda, notou, contudo, que a “situação é mais preocupante” nos hostels e guests houses, principalmente porque esses alojamentos trabalham com grupos organizados de viagens.

Hotelaria dos Açores estima quebras “superiores” a 50% na Páscoa

O delegado nos Açores da AHP estimou quebras “superiores a 50%” na Páscoa devido ao surto de coronavírus, defendendo a adoção de medidas, tal como o líder dos empresários. Em declarações à Lusa, Fernando Neves disse não prever que o verão “seja melhor”, considerando que se está a sentir “os efeitos negativos” do surto, algo que, com base no feedback dos empresários do setor, “está a agravar-se”.

Para o responsável, este cenário surge no âmbito de uma “tendência que é global”, face à “baixa significativa da mobilidade” das pessoas, como se pode verificar nas companhias de aviação. O mesmo considera que as consequências económicas vão ser “extremamente penalizadoras”, sendo que na região as taxas de ocupação hoteleira “já são muito baixas”, estimando-se “quebras superiores a 50%, na Páscoa, em termos comparativos com 2019″.

O presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada, Mário Fortuna, também em declarações à Lusa, afirma que “é consensual que o impacto desta crise vai ser significativo”, o que “vai exigir que sejam adotadas medidas”, como está a acontecer a nível nacional e na Europa. A adoção de uma linha de crédito, como aconteceu a nível nacional, “configura-se como pouco para a dimensão que se avizinha”, sendo necessário “seguramente mais apoios e intervenções” num problema que “não se sabe quando vai acabar ou dar a volta”.

(Notícia atualizada às 18h13 com impacto do surto nos Açores)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus já provocou quebra superior a 30% nas receitas da hotelaria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião