Procura sobe nos super e hipermercados devido ao coronavírus, mas funcionam com normalidade

  • Lusa
  • 10 Março 2020

Tem-se verificado "apenas um ligeiro aumento da procura de produtos", mas "quer o abastecimento de produtos estão a decorrer com total normalidade", diz a associação que representa o setor.

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) reportou esta terça-feira hoje um “ligeiro aumento da procura de produtos” nos super e hipermercados associado ao surto do novo coronavírus, mas garantiu que estas unidades estão a funcionar “com total normalidade”.

“Até ao dia de hoje, quer o consumo, quer o abastecimento de produtos estão a decorrer com total normalidade, não existindo quaisquer limitações na aquisição de produtos. Esta situação é válida quer em loja física, quer nas plataformas online dos nossos associados”, refere a APED numa resposta escrita enviada à Lusa. Segundo acrescenta, regista-se “apenas um ligeiro aumento da procura de produtos”, num “comportamento semelhante ao registado em situações anteriores da mesma natureza”.

Garantindo que, “caso se venha a justificar e tal como em outras ocasiões, os associados da APED estarão preparados para evitar perturbações no fornecimento de produtos e bens essenciais, nomeadamente por privilegiarem a produção nacional”, a associação assegura que o setor “reconhece a sua ampla responsabilidade junto do consumidor”.

Neste sentido, diz, “as empresas têm implementados procedimentos e planos de contingência robustos e eficientes, tendo sido reforçadas as medidas de higienização e a formação de equipas, para que a experiência em loja continue a decorrer em segurança e com normalidade”.

“A APED continuará a acompanhar e a monitorizar a situação, em contacto direto com as entidades competentes, nomeadamente a Direção Geral da Saúde, e apela a que se mantenha a tranquilidade e responsabilidade demonstradas pela população até agora”, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Procura sobe nos super e hipermercados devido ao coronavírus, mas funcionam com normalidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião