Itália regista 168 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

Nas últimas 24 horas, morreram em Itália 168 pessoas infetadas com o novo coronavírus. Esta atualização eleva para 631 o número total de vítimas mortais naquele país. 

Nas últimas 24 horas, morreram em Itália 168 pessoas infetadas com o novo coronavírus, avança o jornal La Stampa (conteúdo em italiano). Esta atualização eleva para 631 o número total de vítimas mortais naquele país.

Os números do surto de coronavírus em Itália continuam a crescer e, esta segunda-feira, o Governo de Giuseppe Conte decidiu mesmo estender a quarentena a todo o país, permitindo as deslocações apenas em casos necessários. Os dados mais recentes, anunciados esta terça-feira pelo Comissário para a Emergência de coronavírus, Angelo Borrelli, dão conta de 8.514 casos infetados no país, um aumento de 529 em apenas um dia.

Desde ontem ocorreram 168 novas mortes relacionadas com o coronavírus, 135 das quais na zona de Lombardia, no norte do país, elevando para 631 o número total de pessoas que já morreu devido a este surto. Ainda desde ontem, o número de pessoas sob tratamento intensivo passou para 877. Das 10.149 pessoas que já foram infetadas (contando com vítimas e com aquelas que já recuperaram), 1.004 já recuperaram.

Esta segunda-feira, o primeiro-ministro italiano anunciou um alargamento da quarentena decretada à zona norte de Lombardia a todo o país. “Toda a Itália será uma área protegida”, disse Conte, em conferência de imprensa, citado pelo jornal italiano. “As viagens por todo o país serão evitadas, a menos que haja razões comprovadas de trabalho ou em casos de necessidade e de saúde”, afirmou.

Após esta decisão, o Governo português decidiu suspender todos os voos de e para Itália. A suspensão inicial, anunciada esta segunda-feira, previa apenas as regiões mais afetadas daquele país, mas esta terça-feira, foi anunciado um alargamento a todo o país.

(Notícia atualizada às 17h56 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália regista 168 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião