Itália vai suspender pagamento das prestações dos créditos da casa

  • ECO
  • 10 Março 2020

Vice-ministra da Economia italiana diz que particulares e famílias vão beneficiar da suspensão do pagamento dos encargos com a prestação do crédito da casa para minimizar efeitos do coronavírus.

O pagamento das prestações da casa vai ser suspenso em Itália, medida que visa combater os efeitos económicos resultantes do surto do coronavírus que abala fortemente aquele país.

Segundo a Reuters, a decisão foi assumida pela vice-ministra italiana da Economia numa entrevista à Rádio Anch’io. “Sim, será esse o caso, quer para particulares quer para famílias”, disse Laura Castelli quando questionada sobre a possibilidade dessa suspensão.

A agência de notícias explica ainda que a ABI, a associação de bancos italiana, deu conta na segunda-feira que instituições financeiras representativas de 90% do total de ativos bancários iriam oferecer moratórias de crédito a pequenas empresas e famílias que fossem afetadas pelas consequências económicas do coronavírus em Itália.

Por moratória de crédito entende-se o atraso ou suspensão do pagamentos de prestações, situação que permitirá aliviar o fardo de muitas famílias a braços com dificuldades em cumprir com os compromissos financeiros com a banca.

A decisão surge numa altura em que o número de casos de infeção e morte devido ao novo coronavírus não pára de aumentar em Itália, tendo mesmo motivado a decisão de uma quarentena nacional com vista a tentar travar a progressão da doença naquele país.

Nos últimos dias, a Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China, com 463 mortos e mais de 9.100 contaminados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália vai suspender pagamento das prestações dos créditos da casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião