BCE alivia exigências para a banca enfrentar vírus. Promete regras flexíveis para atrasos no pagamento de empréstimos

Supervisor vai permitir que bancos possam falhar rácios de capital para enfrentar vírus. E deixou indicações sobre atrasos nos pagamentos de empréstimos: há flexibilidade suficiente nas regras.

O Banco Central Europeu (BCE) aliviou o cumprimento das exigências de rácios de capital por parte dos bancos da Zona Euro, num esforço para assegurar que as instituições financeiras vão continuar a financiar as famílias e empresas da região sem grandes preocupações regulatórias e quando o surto coronavírus começa a ter maior impacto na economia mundial

Em comunicado, o BCE adiantou também que as regras para os créditos em incumprimento dão aos supervisores nacionais flexibilidade suficiente para ajustar as medidas específicas para os bancos nesta matéria.

É uma indicação subjetiva e que surge depois de a Federação Europeia de Bancos, que representa 3.500 instituições bancárias europeias, ter apelado para a criação de uma ferramenta de moratória para empresas em risco de liquidez. Por outro lado, em Itália, o maior foco de preocupação do Covid-19 na Europa, o Governo anunciou que particulares e famílias vão beneficiar da suspensão do pagamento dos encargos com empréstimos por causa dos efeitos que o novo vírus está a ter na economia. Atrasos nos pagamentos dos créditos durante algum tempo obrigam os bancos a reconhecerem malparado e a terem de constituir imparidades.

“O coronavírus está a revelar-se um choque significativo para as nossas economias. Os bancos precisam de estar em posição de continuar a financiar as famílias e as empresas que estão a viver momentos mais difíceis. As medidas de supervisão acordadas hoje têm como objetivo apoiar os bancos no serviço à economia, respondendo aos desafios operacionais, incluindo sobre os seus trabalhadores”, disse Andrea Enria, presidente do Conselho de Supervisão do BCE.

Com efeito, o BCE vai permitir que os bancos possam operar temporariamente abaixo do nível de capital definido para o pilar 2, para a reserva de conservação de capital e para o rácio de cobertura de liquidez, anunciou.

Mas este alívio apenas poderá ser canalizado para a concessão de crédito à economia real e não para aumentar os dividendos ou bónus aos administradores, advertiu.

Adicionalmente, o BCE vai permitir que os bancos possam contabilizar os títulos de dívida que atualmente não estão qualificados como capital — como os títulos AT1 e AT2 — para os requisitos de capital, antecipando uma regra que só estava prevista para 2021.

O supervisor revelou ainda que está em discussões com os bancos para ajustar calendários, processos e prazos para o cumprimento das exigências específicas de cada um. “Por exemplo, o BCE irá considerar a recalendarização de inspeções presenciais a prorrogação dos prazos para a implementação das recomendações que resultaram das inspeções presenciais realizadas recentemente ou em investigações sobre os modelos internos”, indicou.

“À luz da pressão operacional sobre os bancos”, BCE também vai dar a sua aprovação à decisão da Autoridade Bancária Europeia de adiar os testes de stress.

O BCE adverte ainda que, apesar de todas as medidas de alívio, os bancos terão de continuar a adotar políticas adequadas em relação ao reconhecimento e cobertura de exposições não produtivas, mantendo níveis sólidos de capital e liquidez e uma gestão robusto do risco.

(Notícia atualizada às 14h16)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE alivia exigências para a banca enfrentar vírus. Promete regras flexíveis para atrasos no pagamento de empréstimos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião