Seguro Directo já tem 100% do call center em teletrabalho

  • ECO Seguros
  • 18 Março 2020

Em três dias, a Seguro Directo adotou medidas de mitigação de risco de propagação do Covid-19 e implementou um modelo de trabalho remoto a 100%. Afirma que está em pleno na prestação de serviços.

A Seguro Directo, do grupo Ageas estabeleceu um plano que incluiu o departamento de Centro de Atendimento a Cliente da seguradora, permitindo que este começasse a trabalhar de modo remoto com todas as condições de segurança.

A seguradora firma que com recurso a várias tecnologias avançadas e flexíveis, ferramentas de colaboração à distância e sistemas de conectividade seguros, “foi possível implementar um novo modo de trabalhar em tempo recorde”.

A plataforma de gestão de centros de atendimento utilizada permite fazer a gestão de chamadas, vídeos, conversas de texto, entre outros, também permite a distribuição das chamadas pelas equipas e acesso a dispõe de ecrãs virtuais com os indicadores de controlo da eficácia do atendimento. Tem ainda acesso a sistemas de negócio empresariais, como gestão de sinistros, marcação de peritagens e apoio à venda.

Sala do centro de atendimento da Seguro Directo, quarta-feira de manhã: Todos estão em teletrabalho, mas o serviço está plenamente assegurado.

A seguradora dotou, em três dias, todos os seus Colaboradores com os meios necessários para servir os Clientes em pleno. Para tal, foram providenciados equipamentos, ferramentas e meios de comunicação a todos os colaboradores passando de um método de trabalho tradicional, para um remoto.

“O desafio não foi só tecnológico, mas também organizacional” refere Eduardo Caria, Diretor Geral da Seguro Directo, “foi necessário reestruturar a forma como as equipas se relacionam e se organizam, adaptando o serviço de modo a manter a proximidade entre os membros de cada equipa e adotar novos hábitos e métodos de trabalho”, conclui.

A transição total para o trabalho remoto, permitiu manter os serviços na sua plenitude, adianta a seguradora.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguro Directo já tem 100% do call center em teletrabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião