Contactos pelo Chatbot da Tranquilidade aumentaram 37%

  • ECO Seguros
  • 19 Março 2020

Uso de chatbot via website e por whatsapp registaram procura recorde na última semana. A seguradora continua a reforçar canais alternativos não presenciais.

Com as restrições à circulação e contacto entre pessoas devido ao surto epidémico Covid-19, a Tranquilidade reforçou os seus canais de atendimento não presencial para garantir o nível de serviço.

Para além do canal telefónico e email, a Tranquilidade disponibiliza também um serviço de chatbot através do seu website ou diretamente por WhatsApp e está a incentivar os seus clientes a utilizarem estes canais alternativos de contacto.

O serviço de chatbot permite esclarecer dúvidas frequentes, receber a carta verde, pedir referências de multibanco para pagamentos ou fazer alteração de morada. Trata-se de uma ferramenta interativa e intuitiva que responde de forma automatizada aos utilizadores.

Antes do início da crise pandémica, os contactos por chatbot eram de cerca de 6.000 por mês, com uma taxa de resposta automática – sem necessidade de transferência para um operador – de cerca de 70%. Os contactos por chatbot registaram um aumento de procura de 37% na última semana.

Para utilizarem o chatbot, os clientes enviam mensagens de texto através de WhatsApp usando o número 917 775 432 ou, em alternativa, acedem diretamente ao site da Tranquilidade.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Contactos pelo Chatbot da Tranquilidade aumentaram 37%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião