Twitter faz alerta. Pandemia pode atirar empresa para prejuízos

  • Lusa
  • 24 Março 2020

Jack Dorsey indicou que, com base em dados atuais, é possível prever que as receitas do Twitter entre janeiro e março sejam “ligeiramente inferiores”. Pode ditar prejuízos no trimestre.

O Twitter reviu em baixa as projeções de receitas para os primeiros três meses do exercício fiscal de 2020, por causa do decréscimo de publicidade na plataforma digital, na sequência da pandemia da doença covid-19.

De acordo com um comunicado divulgado, citado pela agência espanhola Efe, a empresa liderada por Jack Dorsey indicou que, com base em dados atuais, é possível prever que as receitas do Twitter entre janeiro e março sejam “ligeiramente inferiores” em relação ao período homólogo de 2019.

Esta empresa também anteviu que poderá regressar temporariamente aos prejuízos, na sequência da pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Contudo, a rede social também registou um aumento de 23% no número de utilizadores que acedem ao Twitter diariamente, como consequência desta pandemia.

“O objetivo do Twitter é servir de plataforma para a discussão pública e, nestes tempos, o nosso trabalho é tremendamente importante. Estamos a observar um aumento no número de pessoas que estão a utilizar o Twitter e as nossas equipas estão a demonstrar uma resiliência incrível para se adaptarem a este momento sem precedentes”, apontou Dorsey.

Em 02 de março, o Twitter foi uma das primeiras empresas tecnológicas situadas em Silicon Valley, no estado da Califórnia, a recomendar o teletrabalho para os cerca de 5.000 funcionários que emprega.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 345 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália a ser o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 6.077 mortos em 63.927 casos. Segundo as autoridades italianas, 7.024 dos infetados já estão curados.

A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, onde a epidemia surgiu no final de dezembro, conta com um total de 81.054 casos, tendo sido registados 3.261 mortes.

Os países mais afetados a seguir à Itália e à China são a Espanha, com 2.182 mortos em 33.089 infeções, o Irão, com 1.812 mortes num total de 23.049 casos, a França, com 860 mortes (19.856 casos), e os Estados Unidos, com 390 mortes (31.057 casos).

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Twitter faz alerta. Pandemia pode atirar empresa para prejuízos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião