Irlandesa CBL Insurance entra em processo de liquidação

  • ECO Seguros
  • 26 Março 2020

Registada em Portugal para operar em seguros não Vida, a companhia estava sob administração de autoridades irlandesas desde 2018, ficando sem licença no ano seguinte. Agora entrou em liquidação.

O Banco Central da Irlanda (CBI na sigla original) anunciou, em comunicado, que a seguradora – filial de um grupo neozelandês – está oficialmente em liquidação. A página de entrada no website da CBL Insurance Europe DAC (CBLIE) reúne informação cronológica do processo que levou à presente declaração de liquidação por um tribunal superior.

Já em dezembro de 2019, a entidade havia sido notificada pelo banco central irlandês para cessar toda e qualquer regulação de sinistros.

A liquidação, a pedido do BCI, foi apreciada pelo Supremo Tribunal da Irlanda e, em 12 de março de 2020, foi emitida a ordem de dissolução da CBLIE, sendo nomeados como administradores liquidatários “com efeitos imediatos” Kieran Wallace e Cormac O’Connor da KPMG Dublin.

O processo de intervenção do banco central na CBLIE foi iniciado há dois anos com o supervisor (CBI) a alegar “preocupações com a Empresa” e no interesse de “protecção dos segurados”. A revogação da licença foi concretizada em fevereiro de 2019. Um ano antes, já teria sido notificada para cessar atividade de subscrição.

O fim da CBLIE decorre da falência da empresa-mãe na Nova Zelândia, cujo prólogo ficou ligado à incapacidade de cumprir responsabilidades financeiras com credores, entre os maiores a Elite Insurance e a Alpha Insurance, por dívidas relativas contratos de resseguros, e ao principal acionista, a LBC Holdings Ltd.

Com dissolução da CBLIE é sugerido aos segurados europeus “tomarem medidas imediatas para procurar uma cobertura alternativa”. Estas recomendações aplicam-se a segurados que a irlandesa CBLIE conta em diversos países da Europa, por onde distribui produtos e serviço de seguros através da corretores e agentes (MGA na gíria setorial).

Ainda, no site da CBLIE é referida a possibilidade de titulares de apólices e outros interessados poderem reclamar compensações, nomeadamente através de fundos de garantia que poderão ser acionados através das entidades de supervisão na Irlanda, Reino Unido, Dinamarca, Itália e França. Os gestores liquidatários ficam responsáveis pela emissão de notificações a partes interessadas e esses documentos serão publicados na mesma página eletrónica da entidade liquidada.

Em Portugal, a CBL Insurance Europe ainda integra a lista de entidades registadas acessível na página de internet da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), como estando autorizada a operar em seguros não Vida, em regime de LPS-FPS (Livre Prestação de Serviços-Free Provision Services).

De acordo com a mesma fonte, os ramos de operação da CBL abrangem doença; cascos de veículos terrestres; transporte de mercadorias; incêndios e elementos naturais; outros danos em coisas; responsabilidade civil geral; crédito; caução e perdas pecuniárias diversas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Irlandesa CBL Insurance entra em processo de liquidação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião