Mapfre doa 5 milhões para acelerar investigação ao vírus da covid-19

  • ECO Seguros
  • 30 Março 2020

A entidade destinatária do donativo (CSIC) já foi pioneira e determinante em competências de engenharia genética para desenvolvimento da vacina para SARS, em 2002.

A Mapfre, através da sua fundação, vai entregar cinco milhões de euros ao Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) para ajudar a acelerar a pesquisa sobre o SARS-Cov-2 (vulgo ‘novo coronavírus’), causador da pandemia pela doença covid-19.

O donativo, cuja utilização fica ao critério da entidade espanhola de pesquisas científicas, permitirá realizar um estudo integral da pandemia, aprofundar o conhecimento do vírus, dos seus mecanismos de transmissão e proporcionar o desenvolvimento de uma vacina, mas também criar uma base científica que permita, no futuro, proteger a população de novas pandemias.

O presidente da Mapfre, António Huertas, afirmou: “As empresas, enquanto cidadãos corporativos, também devem ter um papel relevante participando em alianças público-privadas como esta, que permitem acelerar a luta contra a pandemia”.

“Estes são momentos em que temos que dar passos firmes que ajudem a sociedade a superar a situação de exceção e contribuir para a saída desta crise com o menor impacto possível”, referiu o presidente da Mapfre apelando ainda que outras entidades se juntem ao esforço para apoiar o desenvolvimento de uma vacina.

Por seu lado, a presidente do CSIC, Rosa Menéndez, considerou a doação “um impulso considerável” para as equipas de investigação do CSIC. “Já estamos a trabalhar para desvendar as chaves do novo coronavírus”, observou Menéndez explicando que o centro de pesquisa tem em curso cerca de 50 programas coordenados para enfrentar em conjunto o desafio colocado pela pandemia. São projetos “que vão desde a biotecnologia e nanosensores de diagnóstico até modelos matemáticos para entender a propagação da doença”, acrescentou Menéndez.

Tendo dado contribuição importante no desenvolvimento da vacina para a síndrome respiratória aguda grave (SARS no acrónimo internacional), em 2002, o organismo ligado ao Centro Nacional de Biotecnologia (CNB-CSIC) recebeu recentemente financiamento urgente do governo espanhol e da União Europeia para prosseguir o seu trabalho.

Simultaneamente, a companhia tem tomado iniciativas para apoiar PME clientes e profissionais por conta própria, concedendo descontos nos prémios de seguro. Há pouco mais de uma semana, a Fundación Mapfre anunciou a doação de 600 mil euros em material de proteção individual e sanitário para residências de idosos e outras entidades sociais. Este pacote de ajuda inclui máscaras de uso individual e hospitalar, viseiras, batas descartáveis e luvas.

Ainda, através da sua plataforma Savia, a Mapfre passou a oferecer a todos os cidadãos um serviço gratuito de consultas médicas online (acessíveis por app móvel ou por IP residencial) para despistagem de sintomas associados à covid-19 ou para outro aconselhamento de saúde em diferentes especialidades médicas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mapfre doa 5 milhões para acelerar investigação ao vírus da covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião