Em tempo de Covid-19, portugueses gastam mais online

Dados da SIBS indicam que as compras online aumentaram em termos de valor médio. Já as presenciais acontecem principalmente nos supermercados e farmácias.

Com parte da população confinada em casa devido ao surto de Covid-19, os portugueses estão a gastar mais dinheiro online. Dados da SIBS sobre a evolução de consumo em março indicam que o número de transações caiu, mas o montante médio gasto aumentou.

“Embora se tenha verificado uma redução, as compras online têm ganho um peso crescente no total das compras efetuadas ao longo das últimas semanas, registando uma quebra menos significativa relativamente ao panorama global do consumo em Portugal”, explica a SIBS, em comunicado.

No que se refere ao montante médio das compras no comércio online, passou para uma média de 39,70 euros, mais 6% do que a média de 37,50 euros por compra, antes do registo do primeiro caso em Portugal.

“Na semana de 23 a 30 de março, verificou-se uma redução no número de compras online, que diminuiu 30 pontos face à média registada antes da confirmação do primeiro caso de Cpvid-19 registado em Portugal. Este valor compara com o acentuar da quebra do número de transações presenciais em loja, que registou esta semana uma quebra de 56 pontos”, aponta a SIBS.

O valor médio das compras em loja foi de 38,80 euros, mais 12% do que antes da pandemia. Tal como nas semanas anteriores, reforça-se a tendência de uma concentração de compras físicas em Super & Hipermercados e Farmácias & Parafarmácias, setores que continuam a representar mais de metade (58%) das compras efetuadas em Portugal.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em tempo de Covid-19, portugueses gastam mais online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião