McCann Lisboa muda para WeCann Portugal

Um “rebranding” simbólico em tempos Covid-19 com uma mensagem de esperança. “A McCann nasceu pouco antes da gripe espanhola e soube se reinventar durante mais de 100 anos".

“WeCann stay at home”, “WeCann work from home”, “WeCann play at home”, “WeCann watch films and chill”, “WeCann make our own bread”, “WeCann overcome this” e “ WeCann and we will!”.

Estas são algumas das mensagens que estão a ser comunicadas nos diferentes canais da agência de publicidade McCann, uma ideia criativa da agência em Portugal. Mensagens de superação na terceira semana de isolamento e que querem transmiti um sentido maior: não só podemos, como devemos!

“Como neto, pai, filho, sobrinho, genro, cunhado, primo e amigo o meu papel é proteger. Como empresário, chefe, empreendedor, colega e cidadão, também. A nós, individualmente, não nos cabe resolver a crise sanitária. Só nos cabe não a agravar, proteger aqueles pelos quais nos sentimos responsáveis e proteger o sistema de saúde para lá do que é inevitável”, refere Luís Pereira Santos, CEO da agora WeCann Portugal.

E acrescenta: “Enquanto publicitários e marketeers cabe-nos ainda perceber como esta pandemia está a mudar as nossas vidas, confrontando-nos com novas necessidades, e como as podemos, aqui sim, mitigar. Nestas semanas que passaram já são mais evidentes as nossas necessidade de espaço pessoal, porque vivemos no confinamento das nossas casas; as nossas necessidades de manter relações sociais, porque a vida faz mais sentido quando é partilhada; as nossas necessidades de estabilidade, porque uma pandemia não nos permite vislumbrar um futuro claro e as nossas necessidades de confiança e força anímica, porque há que saber como ir buscar aquela reserva que guardamos para os momentos difíceis”, afirma Luís Pereira Santos.

Momentos difíceis e de incerteza que atingem também toda a indústria criativa e da comunicação, e que segundo o CEO, ter clarividência para perspetivar o futuro, quanto mais o presente já é um exercício criativo.

“Como em quase tudo na vida a criatividade vai ser parte da solução, jamais parte do problema. Isso já se tem visto nas soluções que se estão a encontrar para a pandemia, quanto mais para as marcas. Usar linhas de perfumaria para embalar álcool, canhões de água para pulverizar ruas, fábricas de têxteis a produzir máscaras, engenheiros espaciais a desenhar e produzir ventiladores. Isso é criatividade. Marcas que produzem conteúdos para ajudar à vida em confinamento, marcas que ajudam o estado a veicular mensagens, marcas que vão mantendo os seus consumidores sãos, são marcas que precisam de criatividade” diz Luís Pereira Santos.

E recorda a história da própria McCann: “A McCann nasceu pouco antes da gripe espanhola e soube se reinventar durante mais de 100 anos com tudo o que mudou no mundo desde então. E mudou muito. A McCann vai saber se reinventar para os próximos 100 anos, nunca se esquecendo que sejam quais forem as circunstâncias e mesmo que mudem as prioridades, as aspirações humanas são no presente e serão no futuro o amor, as ligações, o sucesso, a descoberta e o propósito. Isso não muda. Nunca mudou”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

McCann Lisboa muda para WeCann Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião