Consumo de energia elétrica caiu 8% com estado de emergência

A REN registou uma forte contração após a declaração do estado de emergência. Entre o dia 18 e o final do mês o consumo baixou cerca de 8% face ao período equivalente do ano anterior.

De acordo com dados da REN – Redes Energéticas Nacionais, o consumo de energia elétrica recuou 0,5% em março de 2020 por comparação com o período homólogo. Com correção dos efeitos de temperatura e número de dias úteis, a variação é de –1,7%.

“Esta evolução resultou de um período de crescimento no início do mês, seguido de uma forte contração após a declaração do estado de emergência. Entre o dia 18 e o final do mês o consumo corrigido de temperatura baixou cerca de 8% face ao período equivalente do ano anterior”, sublinha a operadora de redes de transporte de eletricidade.

No final do primeiro trimestre, frisa a REN, a evolução anual até agora situa-se em +0,2% de consumo de eletricidade, ou +0,9% com correção de temperatura e dias úteis.

Até março a produção renovável abasteceu 69% do consumo nacional, repartido pela hidroelétrica com 35%, a eólica com 25%, biomassa com 6% e a fotovoltaica com 1,9%. A produção não renovável abasteceu 31% do consumo, praticamente apenas com gás natural, já que a produção a carvão não teve qualquer significado. O saldo do trimestre foi exportador equivalendo a cerca de 1% do consumo nacional.

No mercado de gás natural, o consumo nacional registou, em março, uma variação homóloga de +20%, devido ao forte crescimento do segmento do mercado de energia elétrica que registou uma variação homóloga de +176%, com a substituição quase integral da produção a carvão por gás natural.

O segmento convencional registou uma queda mensal homóloga de -0,5%. Ainda neste segmento, após a declaração do estado de emergência, o consumo caiu cerca de 4% face ao período equivalente do ano anterior.

No final do trimestre registou-se um aumento de consumo de 17,5%, resultado de um crescimento de 90% no mercado elétrico e de uma contração de 1,3% no mercado convencional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consumo de energia elétrica caiu 8% com estado de emergência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião