Governo aprova renovação do estado de emergência por mais 15 dias pedida por Marcelo

O Governo deu um parecer favorável ao prolongamento do estado de emergência proposto pelo Presidente da República, anunciou António Costa.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta quarta-feira que o Governo deu um parecer favorável ao prolongamento do estado de emergência pedido pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por mais 15 dias.

Falta o “sim” da Assembleia da República, que irá debater o assunto esta quinta-feira de manhã. De tarde o Conselho de Ministros reúne novamente para aprovar a legislação que regulamenta o estado de emergência e o Presidente da República deve decretar a renovação nesse dia à noite.

À saída do Conselho de Ministros extraordinário no Palácio da Ajuda, o primeiro-ministro revelou que “o Presidente da República apresentou ao Governo uma proposta de elaboração de decreto de prorrogação do estado de emergência”, referindo que Marcelo irá apresentar publicamente o teor desse decreto. “O Governo deliberou dar parecer favorável à renovação do estado de emergência nos termos do decreto“, anunciou António Costa.

“O comportamento dos portugueses tem sido exemplar, com raríssimas exceções, na auto contenção e na auto disciplina”, disse, referindo que esse esforço tem de ser “reforçado” em abril, “o mês decisivo para conter esta epidemia”. Para Costa “este é um esforço que vale a pena e que tem produzido resultados” dado que houve um “crescimento menos forte de pessoas em estado de risco”. “A melhor forma de o estado de emergência durar o menor tempo possível é ter agora a máxima intensidade na auto disciplina no cumprimento das normas de contenção“, afirmou nas declarações transmitidas pela SIC Notícias.

Questionado sobre se vai intensificar as medidas ou mudar alguma das que está em vigor, António Costa disse que não iria antecipar à reunião do Conselho de Ministros desta quinta-feira. Ainda assim, o primeiro-ministro manteve a ideia de que as medidas que o Governo vai aprovar têm como objetivo a máxima “maior contenção com a menor perturbação” e revelou alguns pormenores, nomeadamente que no dia 7 vai haver uma reunião com os especialistas no Infarmed focada nas escolas para que depois haja uma decisão no dia 9.

"O comportamento dos portugueses tem sido exemplar, com raríssimas exceções, na auto contenção e na auto disciplina.”

António Costa

Além disso, António Costa voltou a alertar aos portugueses que não devem ir passar a Páscoa com a família, assim como os emigrantes não devem sair dos países onde têm residência habitual, como é habitual durante esta época festiva. “Não é o melhor momento para virem”, alertou. O primeiro-ministro fez questão de sublinhar que não deve haver um “otimismo precipitado” com a evolução dos números, argumentando que “este não é o momento de ter pressa e de ver a luz ao fundo do túnel”. “Ela existe, mas ainda não está à vista”, concluiu, revelando também que quando houver um levantamento das medidas este terá de ser gradual.

Costa também adiantou que poderá haver indultos nas prisões que possam ser concedidos por razões humanitárias e que o Governo irá propor ao Parlamento uma alteração legislativa ao regime de execução de pena, sendo que este ficaria sujeito à avaliação do juiz de execução de pena.

No final da conferência de imprensa, o primeiro-ministro garantiu que o Governo irá aplicar as medidas — “todas elas são bem intencionadas, [mas] algumas delas não são propriamente compatíveis com aquilo que são as capacidades do país“, notou — que o Parlamento possa vir a aprovar amanhã. São muitas as propostas dos partidos, algumas delas em linha com o que o Governo já avançou, mas também outras que vão mais além.

(Notícia atualizada às 17h47 com mais declarações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo aprova renovação do estado de emergência por mais 15 dias pedida por Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião